Irene perde força mas causa inundação em Nova York

Rua do bairro do Soho foi inundada na manhã de domingo (AP) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Rua do bairro do Soho foi inundada na manhã de domingo

O furacão Irene, que atingiu a cidade de Nova York neste domingo, perdeu força e teve sua categoria rebaixada para tempestade tropical.

Mesmo assim, chuvas fortes atingiram a cidade americana e há o temor de que o nível da água suba em 2.4 metros, ultrapassando as barragens que protegem Manhattan.

Os ventos da tempestade chegam a cem quilômetros por hora e já teriam causado oito mortes nos Estados Unidos, desde que atingiu a costa leste do país no sábado.

A água do mar corria pelas ruas do bairro do Queens, em Nova York. A enchente também atingiu as ruas de Coney Island, segundo a agência de notícias AP.

Na parte baixa de Manhattan, a água da baía de Nova York invadiu as calçadas do Battery Park. Em Wall Street foram colocados sacos de areia em volta das entradas do metrô e todas as construções foram paralisadas na cidade.

Uma correspondente da BBC em Nova York informou que as ruas estão quietas e vazias na manhã deste domingo.

O sistema de transporte da cidade foi fechado e o prefeito, Michael Bloomberg, afirmou que é muito tarde para as pessoas deixarem suas casas.

Cerca de 370 mil habitantes das áreas mais baixas de Nova York receberam ordens para sair de suas residências. Mas o prefeito de Nova York alertou que, aqueles que insistiram em ficar, devem permanecer em suas casas.

Mais de 3 milhões de pessoas na costa leste dos Estados Unidos estão sem energia elétrica. Pelo menos dois milhões de pessoas se retiraram das áreas de maior risco.

A secretária de Segurança Interna americana, Janet Napolitano, disse em um pronunciamento neste domingo que, apesar de o Irene ainda poder causar problemas, "o pior da tempestade já passou", acrescentando que as precauções tomadas "diminuiram dramaticamente" a ameaça às vidas dos moradores da costa leste dos Estados Unidos.

No entanto, as comunidades atingidas pela tempestade ainda estão ameaçadas pelas enchentes e pela falta de eletricidade.

O Irene deve deixar os Estados Unidos na manhã de segunda-feira.

Mortos

O Irene já tinha atingido os Estados americanos da Carolina do Norte e da Virgínia, causando danos e a morte de pelo menos oito pessoas.

O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos informou que na manhã deste domingo o centro do furacão se moveu sobre Nova York. Horas antes tinha passado por Nova Jersey.

No pronunciamento conjunto deste domigo, o diretor do centro, Bil Read, alertou que, apesar do Irene ter sido rebaixado de furacão para categoria de tempestade tropical, as chuvas fortes ainda ameaçam causar enchentes em áreas com grandes rios, especialmente na Nova Inglaterra.

O governador de Nova Jersey, Chris Christie disse que os prejuízos causados pela tempestade podem chegar aos "bilhões de dólares, talvez a dezenas de bilhões de dólares".

O Irene já levou 30 centímetros de chuva na Carolina do Norte e Virgínia.

A região atingida, a nordeste, é a área mais habitada dos Estados Unidos com mais de 65 milhões de pessoas vivendo em cidades como Washington, Baltimore e Nova York.

Emergência

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Furacão Irene já causou estragos na Carolina do Norte

Patrícia Billinger, da Cruz Vermelha dos Estados Unidos, disse à BBC que cerca de 27 mil pessoas foram para os abrigos estabelecidos ao longo da costa, com 8 mil apenas em Nova York.

Foi declarado estado de emergência na Carolina do Norte, Maryland, Virgínia, Delaware, Nova Jersey, Nova York e Connecticut.

Os aeroportos John F. Kennedy e La Guardia, de Nova York, além do Newark em Nova Jersey, foram fechados. Foram cancelados cerca de 8 mil voos.

Um reator nuclear em Maryland foi desligado automaticamente depois que um grande pedaço de alumínio, levado pelo vento, entrou em contato com o principal transformador da usina.

O presidente americano, Barack Obama, interrompeu suas férias para supervisionar os preparativos para a passagem do furacão.

O correspondente da BBC em Washington, David Willis, afirmou que Obama está tentando evitar as críticas que cercaram a ação do governo federal há seis anos, quando o furacão Katrina atingiu Nova Orleans.

A Amtrak, a rede ferroviária dos Estados Unidos, anunciou que o cancelamento de seus serviços entre Washington e Boston. A companhia também já tinha suspendido operações ao sul do Estado da Virgínia.

O Pentágono carregou 200 caminhões com suprimentos de emergência e 100 mil soldados da Guarda Nacional estão de prontidão.

Notícias relacionadas