Khadafi está 'pronto para negociar transição', diz porta-voz

Rebeldes em Ras Lanuf (Reuters) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Batalhas ainda ocorrem em Ras Lanuf, perto de Sirte

Um porta-voz de Muamar Khadafi afirmou que ele está pronto para iniciar negociações para a transferência do poder na Líbia.

Em um telefonema para uma agência de notícias, Moussa Ibrahim teria dito que o filho de Khadafi, Saadi, lideraria a negociação. Mas os rebeldes afirmam que não vão negociar até que Khadafi se renda.

Segundo a agência de notícias Associated Press (AP), em Nova York, o porta-voz teria ligado e falado que Khadafi ainda está na Líbia, mas não especificou em qual cidade.

A AP afirma que identificou Moussa Ibrahim pela voz e o porta-voz também teria dito que Khadafi quer formar um governo de transição com os rebeldes. Ibrahim também teria dito à AP que ainda está em Trípoli e viu o ex-líder líbio na sexta-feira.

No começo da semana, a CNN informou que tinha recebido um email de Saadi Khadafi confirmando que seu pai queria negociar um cessar-fogo.

"Vou tentar salvar minha cidade, Trípoli, e os dois milhões de pessoas que vivem lá... senão Trípoli se perderá para sempre, como a Somália", escreveu.

Uma autoridade do Conselho Nacional de Transição líbio (CNT) disse à agência de notícias Reuters que eles não sabem onde Muamar Khadafi está e nenhuma negociação está acontecendo.

"Se ele quiser se render, então vamos negociar e vamos capturá-lo", disse Ali Tarhouni, a autoridade do CNT encarregada do petróleo e questão financeiras.

O ministro das Relações Exteriores da Grã-Bretanha, William Hague, descreveu a oferta de Khadafi como um "delírio" e afirmou que o CNT já está no comando da Líbia.

"O que precisamos dos restos do regime de Khadafi é que os confrontos parem", disse Hague à BBC.

Execuções

A organização de defesa dos direitos humano Human Rights Watch afirmou que existem provas de que as forças leais a Khadafi mataram pelo menos 17 prisioneiros e realizaram "execuções supostamente arbitrárias de dezenas de civis" dias antes de os rebeldes ocuparem Trípoli.

Na sexta-feira, mais de 200 corpos em decomposição foram encontrados em um hospital abandonado no bairro de Abu Salim. Médicos e enfermeiras fugiram devido aos combates e muitos pacientes feridos foram abandonados.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Líbios fazem fila para conseguir gasolina em Trípoli

Mais de 50 corpos carbonizados foram encontrados em um depósito foi foi incendiado, ao sul da capital líbia.

Moradores do bairro de Salah al-Din afirmaram que estes corpos eram de civis que foram executados na terça-feira por integrantes de uma brigada comandada por outro filho de Muamar Khadafi, Khamis.

Emergência

Trípoli deve receber neste domingo carregamentos de combustíveis e água.

Os rebeldes afirmam que vão começar a distribuir 30 mil toneladas de gasolina e fornecer gás de cozinha dentro das próximas 48 horas. Um navio com carregamentos de água potável e diesel para as usinas de eletricidade deve chegar nos próximos dias.

Enquanto isso, os rebeldes avançam em direção aos últimos pontos de resistência das forças leais a Khadafi, na cidade de Sirte.

Os rebeldes já tomaram a cidade de Bin Jawad, a cerca de cem quilômetros, na tarde de sábado.

Comandantes rebeldes afirmam que estão negociando com os idosos da cidade para tentar uma rendição pacífica, mas até o momento estas negociações não progrediram.

Notícias relacionadas