Novos dados sobre programa nuclear do Irã preocupam, diz agência da ONU

Usina nuclear sendo construída no Irã (AFP) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Governo iraniano afirma que seu programa nuclear é pacífico e tem fins civis

A AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) afirmou nesta sexta-feira que está "cada vez mais preocupada" com a possibilidade de o Irã estar trabalhando secretamente na fabricação de armas nucleares.

Em um relatório, o órgão da ONU afirma ter novos dados sobre o desenvolvimento de carga nuclear para mísseis no país.

O documento, segundo a agência, foi baseado em informações amplas e confiáveis de seus Estados-membros e em sua própria investigação.

O relatório afirma ainda que o Irã já deu início à instalação de equipamentos para a produção de urânio enriquecido em instalações subterrâneas, próximas da cidade de Qom.

O governo do Irã garante que seu programa nuclear é pacífico e tem fins civis.

A ONU já impôs quatro rodadas de sanções ao Irã, acusando o país de falta de transparência em relação ao seu programa nuclear.

Cargas nucleares

O urânio enriquecido pode produzir combustível para reatores nucleares, mas também pode ser usado para o desenvolvimento de ogiva atômicas.

A AIEA está "cada vez mais preocupada com a possibilidade de haver no Irã, no passado ou atualmente, atividades nucleares envolvendo organizações militares", segundo trechos do relatório divulgados nesta sexta-feira pela agência de notícias AFP.

A agência da ONU teme que, entre as ações do Irã, estejam "atividades relacionadas ou desenvolvimento de cargas nucleares para mísseis".

O relatório diz ainda que o diretor-geral da AIEA, Yukiya Amano, contatou em junho o chefe do programa nuclear do Irã, Fereydoun Abbasi Davani, para "lembrar o país de que ele deveria cumprir todas suas obrigações para restabelecer confiança de que o programa nuclear é realmente pacífico".

Negociadores dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (EUA, China, Rússia, França e Grã-Bretanha), além da Alemanha, querem um acordo pelo qual o Irã se desfaça de seu urânio com baixo grau de enriquecimento.

Notícias relacionadas