Índia investiga autoria de atentado a bomba que deixou 11 mortos

Polícia de Nova Déli vigia a entrada do Tribunal Superior da Índia após o atentado. Direito de imagem Reuters
Image caption O grupo extremista Huji teria assumido a autoria do atentado em e-mail

Autoridades indianas investigam a autoria do atentado a bomba que matou pelo menos 11 pessoas e feriu pelo menos 61 no Tribunal Superior da Índia, na capital Nova Déli, nesta quarta-feira.

Segundo as autoridades, os investigadores consideram seriamente um e-mail supostamente enviado pelo grupo extremista Harkat-ul Jihad al-Islami (Huji), que reivindica a autoria do atentado.

"Seria muito prematuro fazer qualquer comentário sobre o e-mail neste momento, mas sim, este e-mail tem que ser considerado seriamente, porque o Huji é um grupo terrorista proeminente", disse o diretor geral da Agência Nacional de Investigação indiana, S. C. Sinha.

O e-mail supostamente exige que um homem condenado à morte pelo envolvimento em um ataque ao parlamento de Nova Déli há dez anos não seja enforcado.

O Departamento de Estado americano diz que o Huji é uma "organização terrorista" que mantém ligações com a Al-Qaeda.

O grupo foi acusado de ser responsável por ataques na Índia, Paquistão e Bangladesh.

O líder do Huji, Ilyas Kashmiri, teria sido morto em um ataque de aeronaves não tripuladas americanas no nordeste do Paquistão em junho.

Alerta

O primeiro-ministro indiano Manmohan Singh disse que o atentado foi um "ato covarde de natureza terrorista".

Segundo oficiais, a bomba foi colocada em uma mala perto do primeiro posto de segurança, onde as pessoas faziam uma fila para entrar no prédio do tribunal.

"Esta é uma guerra longa na qual todos os partidos políticos, todas as pessoas da Índia, têm que se unir para que o sofrimento do terrorismo seja eliminado", disse o primeiro-ministro.

Um homem indiano que estava no prédio descreveu o momento da explosão para a BBC.

Direito de imagem AP
Image caption A explosão atingiu pessoas na fila para entrar no edifício do Tribunal Superior indiano

"Quando eu estava entrando no tribunal do Ministro da Justiça, eu ouvi um barulho enorme que sacudiu o prédio e teve o efeito de um terremoto", disse Chanakya Dwivedi.

"Depois de uma comoção de 20 segundos, eu vi muita fumaça no portão principal. Foi a explosão de uma bomba, com sangue por todos os lados e muitas pessoas chorando."

Segundo o ministro do Interior, P. Chidambaram, as agências de inteligência compartilharam informações com a polícia de Nova Déli em julho sobre ameaças de atentados.

"Mas neste momento ainda não é possível identificar o grupo que realizou o ataque de hoje", disse ao parlamento.

Em junho, uma bomba explodiu em um carro fora do mesmo complexo judiciário de Nova Déli, sem deixar mortos.

Em julho, 26 pessoas morreram em três explosões na capital financeira do país, Mumbai.

Após o atentado desta quarta-feira, Nova Déli e Mumbai entraram em alerta máximo.