Forças anti-Khadafi dominam maior parte de cidade natal do coronel

Disparos feitos por tropas do CNT em Sirte, nesta sexta (AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Tropas do CNT (foto) ainda enfrentam forte resistência por parte de aliados de Khadafi

As forças leais ao governo de transição da Líbia tomaram o controle, nesta sexta-feira, da maior parte de Sirte, a cidade natal do coronel Muamar Khadafi.

O repórter da BBC Jonathan Head, que está na cidade – um dos poucos bastiões remanescentes de Khadafi na Líbia –, disse que as tropas, no entanto, ainda enfrentam resistência por parte de combatentes aliados do coronel.

Milhares de civis conseguiram abandonar a cidade, mas acredita-se que muitos outros ainda estejam ilhados ali, em meio ao fogo cruzado.

Sirte está sendo alvejada com disparos de tanques e morteiros, e diversos prédios foram incendiados. As forças aliadas ao Conselho Nacional de Transição (CNT) estão a apenas 1 km do centro da cidade.

A ofensiva parece ser a investida final contra o importante bastião de Khadafi e, caso vitoriosa, pode ser decisiva para a consolidação do poder do CNT na Líbia.

Na quinta-feira, um dos comandantes das tropas do CNT, Abdel Salam Gadallah, disse esperar que "no máximo em dois dias" a cidade seria completamente tomada.

Mortes

Um centro de conferências da cidade foi tomado por simpatizantes de Khadafi e se tornou um front de combate.

O administrador de um hospital próximo a Sirte disse à agência France Presse ter contabilizado, no meio do dia (horário local), dez mortos e 150 feridos, entre combatentes e civis.

Direito de imagem AFP
Image caption Milhares de civis escaparam da cidade, mas muitos permanecem sob o fogo cruzado

Ele também disse que duas ambulâncias foram atingidas por disparos feitos por aliados do coronel, e dois paramédicos ficaram feridos.

Há alguns dias, as tropas do CNT convocaram os civis a abandonar Sirte, mas muitos – feridos, sem meios de transporte ou ameaçados por simpatizantes de Khadafi – não puderam deixar a cidade.

A forte ofensiva, lançada na última quinta-feira, ocorreu poucas horas depois de Khadafi convocar os líbios a sair “aos milhões” às ruas do país, para resistir ao governo interino do CNT.

Em uma mensagem de áudio divulgada por uma TV síria, Khadafi – cujo paradeiro ainda é desconhecido – rejeitou a legitimidade do CNT e disse que “não teme ninguém”.