Denúncias no ministério do Esporte atingem governador do DF

Agnelo Queiroz, governador do DF. ABr Direito de imagem ABR
Image caption Queiroz foi ministro entre 2003 e 2006; o governador está sob investigação

O enredo do suposto esquema de corrupção no Ministério do Esporte, denunciado no fim de semana, teve nesta quarta-feira novas acusações e ganhou um novo personagem, o ex-ministro do Esporte e governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT).

Enquanto o ministro do Esporte, Orlando Silva (PcdoB), repetia pelo segundo dia consecutivo, desta vez no Senado, que jamais recebeu propina proveniente de recursos do programa Segundo Tempo, seu denunciante, o policial militar João Dias Ferreira, voltou a dizer que em breve apresentaria provas das acusações contra o ministro feitas à última edição da revista Veja.

O embate, no entanto, foi parcialmente ofuscado pela revelação de que o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), está sendo investigado por supostamente ter recebido propina de R$ 256 mil em desvios de dinheiro do mesmo programa Segundo Tempo. Queiroz chefiou o Ministério do Esporte entre 2003 e 2006, no primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo reportagem da Folha de S.Paulo desta quarta, o inquérito que investiga o caso foi encaminhado pela Justiça Federal de Brasília ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) na terça-feira da semana passada. A mudança do foro do processo atendeu a pedido do Ministério Público Federal.

Em nota, o governo do DF afirmou que a existência do inquérito "carece de aptidão para firmar premissa de que Agnelo Queiroz praticou ato reprovável legal e eticamente, quando foi ministro do Esporte".

"Inquérito é mero instrumento de apuração de fatos, verdadeiros ou falsos, pendentes de confirmação de materialidade e de autoria, sem que, pois, se possa presumir responsabilidade", diz a nota.

Explicações

Em seu depoimento no Senado nesta terça-feira, Orlando Silva disse que quer encerrar nesta semana as explicações a respeito das denúncias, para que possa seguir com a sua agenda no ministério.

"Pretendem tirar um ministro de Estado no grito", afirmou.

Silva foi ouvido em sessão conjunta das comissões de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor, Fiscalização e Controle e a de Educação, Cultura e Esporte. Ele afirmou que tem sofrido um "linchamento público" e desafiou os acusadores a apresentar provas contra ele.

"Eu combati a corrupção. E o que a pessoa faz? Ela me acusa de desviar recursos públicos que ele desviou".

Direito de imagem ABr
Image caption Durante audiência, Orlando Silva recebeu apoio de congressistas da base aliada ao governo

Já o policial João Dias Ferreira afirmou, antes de prestar depoimento na Superintendência da Polícia Federal no Distrito Federal, que apresentaria "pelo menos duas provas cabais que estavam apreendidas desde a Operação Shaolin".

A Operação Shaolin foi feita no ano passado pela Polícia Civil do DF para investigar convênios entre duas entidades ligadas ao policial e o Ministério do Esporte.

Os envolvidos são investigados por crimes de estelionato e falsificação de documento, entre outros.

Denúncia

Em entrevista à Veja no fim de semana, o policial João Dias Ferreira e o motorista Célio Soares Pereira acusaram Orlando Silva de receber dinheiro vivo na garagem do Ministério do Esporte, no fim de 2008. O dinheiro faria parte do programa Segundo Tempo, que destina verbas a ONGs com o intuito de incentivar a prática esportiva entre jovens.

Ferreira diz que o ministro cobrava 20% das entidades contempladas no programa. O esquema, segundo ele, teria desviado R$ 40 milhões ao longo de oito anos.

Orlando Silva nega as acusações e diz que elas podem ser uma reação ao pedido que fez para que o os convênios do ministério com organizações presididas por João Dias Ferreira fossem examinados pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Ex-militante do PCdoB, João Dias Ferreira presidiu duas entidades suspeitas de desviar cerca de R$ 2 milhões do programa Segundo Tempo. Ele é acusado de usar o dinheiro para a compra de uma casa avaliada em R$ 850 mil e financiar sua campanha para deputado no Distrito Federal, em 2006.

Notícias relacionadas