Destino de corpo de Khadafi ainda é incerto

Pessoas fazem fila para ver corpo de Khadafi em Misrata (Reuters) Direito de imagem Reuters
Image caption Pessoas fizeram fila em Misrata para ver e fotografar o corpo de seu ex-líder

O corpo do coronel Muamar Khadafi e de seu filho Mutassim foram vistos por centenas de líbios nesta sexta-feira, enquanto aguardam a realização de uma autópsia e a definição sobre seu funeral.

Ao mesmo tempo, crescem os pedidos internacionais para investigações sobre as circunstâncias da morte do ex-líder líbio, diante de versões conflitantes do episódio ocorrido na última quinta-feira.

Em Misrata (norte da Líbia), moradores fizeram fila para entrar em um contêiner refrigerado onde o corpo de Khadafi está sendo guardado, para vê-lo com seus próprios olhos e fotografá-lo.

Seu funeral – que, segundo a tradição islâmica, tem de ocorrer o mais rápido possível – foi adiado em meio a incertezas sobre o que fazer com o corpo e sobre onde enterrá-lo. Autoridades do governo interino haviam dito que pretendiam realizar uma cerimônia fúnebre secreta.

A previsão é de que uma autópsia seja realizada neste sábado, e os líbios aguardam respostas sobre o mistério que envolve o momento da morte do coronel.

Vivo ou morto

Um vídeo revelado nesta sexta indica que Khadafi foi capturado vivo na véspera – nas imagens, ele aparece sendo conduzido por combatentes de oposição que, com armas apontadas ao ex-líder, discutiam se deviam matá-lo ou não.

Horas depois, ele foi declarado morto, por um ferimento a bala na cabeça. Não se sabe quem disparou o tiro.

Questões similares envolvem a morte de Mutassim, filmado vivo pouco após sua captura. Ele também foi morto a tiros.

A BBC conversou com combatentes ligados ao CNT (Conselho Nacional de Transição, órgão de oposição a Khadafi) em Misrata, que dizem que sabiam há dias que Khadafi se escondia em Sirte – cidade natal do coronel e onde ele foi detido.

Direito de imagem Reuters
Image caption Circunstâncias da morte de Khadafi não foram esclarecidas

O combatente Anwar Souwan disse que eram poucos os que tinham a informação do paradeiro do líder líbio e que o dado foi passado por um mercenário da Mauritânia que fora recrutado por tropas de Khadafi.

"Se revelássemos o segredo (do paradeiro), qualquer coisa poderia ter acontecido. Khadafi poderia ter tentado escapar disfarçado de mulher, ou poderia ter cometido suicídio", diz Souwan.

A ação da Otan (aliança militar ocidental) também teve papel importante no desenrolar dos fatos na última quinta-feira.

Horas antes de Khadafi ser capturado, jatos militares franceses haviam disparado mísseis contra um comboio de veículos que levava o coronel e aliados.

Aparentemente, o coronel saiu praticamente ileso da ofensiva, e a Otan afirmou não saber que o ele estava no comboio.

Mas Fateh Bashagha, membro do CNT que coordena o diálogo entre a Otan e os combatentes de Misrata, diz que foi o ataque da aliança que alertou as tropas anti-Khadafi para o fato de que o coronel estava tentando escapar.

Até o momento, o CNT insiste em que a morte de Khadafi ocorreu durante uma troca de tiros entre opositores e aliados do coronel. Mas, com as evidências até agora, observadores não descartam a possibilidade de que ele tenha sido sumariamente executado.

Investigações

No campo internacional, autoridades pediram investigações sobre as circunstâncias da morte.

Um porta-voz do Alto Comissariado da ONU para Direitos Humanos disse que os vídeos mostrando os momentos finais de Khadafi dão margens para "preocupação" quanto à possibilidade de o ex-líder ter sido executado.

Uma emissora pró-Khadafi sediada na Síria divulgou um comunicado da família do coronel ecoando os pedidos da ONU por investigações.

Ao mesmo tempo, a Otan – que age na Líbia com anuência de um mandado da ONU – se prepara para concluir suas operações militares no país norte-africano. O secretário-geral da aliança, Anders Fogh Rasmussen, disse que a princípio a ofensiva será mantida até 31 de outubro, mas que o órgão vai se reunir para tomar uma decisão oficial.

Direito de imagem BBC World Service