Por economia de energia, Chile pede abandono das gravatas no verão

Presidentes do Chile, Sebastian Piñera, do México, Felipe Calderón, e do Panamá, Ricardo Martinelli (Reuters) Direito de imagem Reuters
Image caption Governo do presidente Piñera (esquerda) pede que população poupe energia

As autoridades do Chile estão incentivando os homens a deixar de usar gravatas durante o verão para economizar energia.

O ministro de Energia chileno, Rodrigo Alvarez, disse que a medida deve ajudar a reduzir o uso de ar-condicionado, gerando economia de eletricidade.

Segundo o ministro, deixar a temperatura de um escritório aumentar entre 1°C e 3°C pode reduzir o gasto de energia em cerca de 3%.

Em um comunicado, Alvarez disse que, se os setores público e privado implementarem esta medida entre janeiro e março, a economia pode chegar a US$ 10 milhões.

O ministro afirmou que a ideia de encorajar os trabalhadores a abandonar as gravatas já foi adotada com sucesso em países com o Japão e a Espanha.

"Esta pequena medida vai ajudar a eficiência energética do país. Reduzir o uso do ar-condicionado vai levar à economia de energia", disse.

Alvarez também disse que a população pode reduzir o consumo de energia em casa, por exemplo, desligando aparelhos eletrônicos que não estão sendo usados.

O correspondente da BBC em Santiago Gideon Long afirma que a produção de eletricidade no Chile durante o verão é sempre limitada, já que o calor reduz o nível dos reservatórios usados na geração de energia hidrelétrica.

Inverno

Em uma medida parecida com a chilena, o presidente da Coreia do Sul, Lee Myung-bak, afirmou que, neste inverno no hemisfério norte, reduzirá o termostato do aquecedor de seu gabinete e usará roupas de baixo mais quentes.

Enfatizando a importância econômica de poupar energia, Lee pediu que todas as empresas e cidadãos cooperem com os esforços do país em controlar a demanda por energia.

Notícias relacionadas