Investigação incrimina policiais afegãos treinados por americanos

Policiais locais afegãos em foto de 1º de dezembro (AP) Direito de imagem AP
Image caption Tropas locais como as da foto acima cuidam da segurança de aldeias afegãs

Alguns policiais afegãos treinados pelas forças de segurança dos EUA cometeram abusos de direitos humanos, concluiu um inquérito militar americano.

A investigação se segue a um relatório da ONG Human Rights Watch, que alega que alguns policiais locais que patrulham aldeias afegãs estão envolvidos em crimes como estupro e assassinato, além de abuso de autoridade.

O inquérito americano recomenda que as forças policiais afegãs recebam um treinamento mais adequado em direitos humanos e sejam supervisionadas.

Feita sem o envolvimento do governo afegão, a investigação foi encomendada pelo comandante das forças da Otan (aliança militar ocidental) no país asiático, o general americano John Allen, e averiguou 46 alegações de abusos citadas pela Human Rights Watch.

Sete dessas alegações foram consideradas críveis.

Em um dos casos, um policial foi morto por colegas ao tentar libertar dois garotos afegãos - que, dizem as investigações, haviam sido sequestrados pelas próprias forças de segurança, para pedir resgate.

Ao mesmo tempo, o inquérito americano diz que o relatório da Human Rights Watch desconsidera o fato de a polícia local afegã "prestar um serviço vital para dar aos afegãos a chance de pôr fim a 30 anos de conflito e viver pacificamente".

Combate à insurgência

A polícia local afegã tem cerca de 9 mil integrantes e deve mais que triplicar de tamanho nos próximos anos, com a expectativa, por parte dos EUA, de que sejam capazes de combater a insurgência no Afeganistão após a retirada das forças internacionais.

Esses policiais são treinados pelas Forças Especiais dos EUA, e novos recrutas são selecionados pelos próprios moradores das aldeias.

Mas grupos de direitos humanos temem que o fortalecimento dessas forças locais legitime a existência de milícias privadas mantidas pelos senhores da guerra afegãos.

Notícias relacionadas