Perfil: Sucessor de líder coreano estudou na Suíça e era 'filho favorito'

Kim Jong-un (arquivo/AP) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Assim como os irmãos, Kim Jong-un foi educado na Suíça

Kim Jong-un foi anunciado nesta segunda-feira como o sucessor de Kim Jong-il na liderança da Coreia do Norte, logo após a divulgação da morte do líder norte-coreano.

Até agora, porém, pouco se sabe sobre o filho mais novo de Kim Jong-il - que comandava o regime norte-coreano desde 1994 - com sua terceira esposa, Ko Yong-hui, que também já morreu.

Nascido em 1983 ou 1984, o jovem inicialmente não era apontado como o sucessor do líder. Analistas concentravam a atenção no seu meio-irmão Kim Jong-nam e em um outro irmão, Kim Jong-chol, ambos mais velhos que ele.

Mas a especulação de que Kim Jong-un estava sendo preparado para substituir seu pai ganhou força em 2009, depois que a agência de notícias sul-coreana Yonhap sugeriu que Kim Jong-il teria escolhido o mais novo para sucedê-lo.

Analistas da situação na Coreia do Norte também apontam sua indicação para a Comissão Nacional de Defesa como um possível sinal de que ele estava sendo preparado para o lugar de Kim Jong-il.

A Comissão Nacional de Defesa da Coreia do Norte é o mais importante órgão do governo do país, e Kim Jong-il era o presidente dessa comissão.

Em 2 de junho de 2009, a agência secreta da Coreia do Sul teria dado instruções para seus legisladores afirmando que autoridades norte-coreanas tinham recebido ordens de apoiar a escolha de Kim Jong-un como o próximo líder.

Já foram lançados poemas e uma música (chamada Pegadas), compostos especialmente para promover as virtudes de Kim Jong-un como líder.

Cerca de 10 milhões de retratos dele estariam sendo preparados para distribuição entre os norte-coreanos, junto com retratos de Kim Jong-il.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Nem a idade exata de Kim Jong-un foi divulgada

Também surgiram especulações sobre o homem que está sendo considerado como o "poder por trás do trono", Chang Song-taek, marido da irmã de Kim Jong-il e diretor do departamento administrativo do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte.

Alguns analistas afirmam que ele poderá ser o "regente" até que Kim Jong-un esteja pronto para governar a Coreia do Norte sozinho.

Filho favorito

Pouco se sabe sobre Kim Jong-un. O que se sabe é que a mãe dele, Ko Yong-hui, seria a esposa favorita de Kim Jong-il e que ela teria chamado o filho de "Rei da Estrela da Manhã".

Em um livro lançado em 2003, Eu Era o Chef de Kim Jong-il, um japonês que escreveu sob o pseudônimo de Kenji Fujimoto também afirmou que Kim Jong-un era o favorito de seu pai.

Mas a morte de Ko Yong-hui, ocorrida em 2004 e que teria sido causada por um câncer de mama, poderia ter colocado o filho mais novo em segundo lugar na preferência para ocupar o poder, atrás de seu meio-irmão Kim Jong-nam.

Entretanto, Kim Jong-nam foi deportado para o Japão em maio de 2001, e o outro irmão, Kim Jong-chol, aparentemente seria "efeminado", fato que teria melhorado as chances de Kim Jong-un para ascender ao poder.

Ele foi educado na Suíça, assim como seus irmãos. Mas Kim Jong-un teria evitado influências ocidentais, jantando fora apenas com o embaixador da Coreia do Norte e voltando para a Coreia do Norte quando não tinha aulas.

Desde que voltou para Pyongyang, ele teria frequentado a Universidade Militar Kim Il-sung.

Fã de basquete

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Pouco se sabe sobre a personalidade de Kim Jong-un

Tampouco há muita informação sobre a personalidade de Kim Jong-un.

Em agosto de 2010 Kim Jong-il visitou a China, acompanhando o pai em uma viagem de Estado, segundo informações de um canal de televisão da Coreia do Sul.

O que se sabe é que Kim Jong-un já apresentaria alguns dos problemas de saúde de seu pai, e já teria sido diagnosticado com diabetes e problemas cardíacos devido ao estilo de vida sedentário.

Outra informação é que ele seria fã da NBA, a liga de basquete dos Estados Unidos.

Mas, assim como acontece com outras informações vindas da reclusa Coreia do Norte, esses dados são impossíveis de serem confirmados.

Notícias relacionadas