Obama anuncia cortes na Defesa mas promete manter hegemonia

AFP Direito de imagem AFP
Image caption Obama no Pentágono: 'Maré da guerra está baixando'

O presidente dos EUA, Barack Obama, anunciou nesta quinta-feira cortes na defesa dos Estados Unidos e admitiu que as Forças Armadas serão menores no futuro.

Em uma rara aparição no Pentágono, Obama afirmou que as Forças Armadas do país devem sofrer um corte de US$ 450 bilhões nos próximos 10 anos, mas afirmou que os EUA irão manter sua hegemonia militar no mundo.

Obama disse ainda que a "maré da guerra está baixando" e que o país precisa recuperar sua força econômica.

Segundo ele, as forças americanas devem voltar seu foco para a região da Ásia e do Pacífico e reforçar sua parceria com a Otan (a aliança militar do Ocidente).

"Sim, nossas Forças Armadas serão mais esbeltas", disse Obama. "Mas o mundo precisa saber: os EUA vão manter sua superioridade militar com forças armadas que são ágeis, flexíveis e prontas para uma ampla gama de contingências e ameaças", afirmou.

Ele disse ainda que os EUA estavam “virando a página de uma década de guerra” e agora enfrentavam “um momento de transição”.

O presidente não anunciou um número específico de cortes nas tropas - o que deve ser feito no momento do anúncio do orçamento federal, em fevereiro.

No entanto, funcionários do governo disseram que a proposta que vem sendo analisada inclui uma diminuição de 10 a 15% no Exército e Corpo de Fuzileiros na próxima década – o que implicaria na redução de dezenas de milhares de homens.

Iraque e Afeganistão

De acordo com o especialista da BBC em assuntos diplomáticos Jonathan Marcus, a revisão da estratégia militar dos EUA se deve a três fatores mais amplos:

"Há a pressão cada vez maior sobre o orçamento de defesa, em uma era de austeridade. O compromisso das forças de combate dos EUA no Iraque terminou, e a redução em andamento dos números dos EUA no Afeganistão fazem deste um bom momento para uma reavaliação", afirma Marcus.

Segundo Marcus, o Exército e os fuzileiros navais americanos sofrerão cortes, e os fuzileiros voltarão a seu papel tradicional, de força de intervenção rápida.

O foco para o futuro deve se manter na criação de forças capazes de conter em forças militares que vêm ganhando força na Ásia. De acordo com o especialista, apesar de ninguém dizer explicitamente, sabe-se que é a China que eles têm em mente.

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, elogiou a nova estratégia dos EUA, especialmente por manter os compromissos do país com a Europa, mesmo com a mudança de foco para a Ásia.

“Em um mundo imprevisível, a garantia de que nossa parceria transatlântica continua indispensável para a segurança dos Aliados é crucial”, disse Rasmussen.

Ele elogiou a decisão de Obama de seguir investindo na Otan “porque a Organização tem demonstrado diversas vezes – mais recentemente na Líbia – que é uma força multiplicadora”.

Notícias relacionadas