Economia deve pautar voto em primária de New Hampshire

Cartazes de campanha em New Hampshire Direito de imagem Getty
Image caption Moderado Mitt romney é favorito nas primárias de New Hampshire, que devem testar ascensão de Santorum

Uma semana depois da votação de Iowa, onde questões de cunho social mobilizaram o eleitorado do Estado americano, a economia deve voltar ao centro das atenções na primária republicana de New Hampshire, nesta terça-feira.

O Estado de 1,3 milhão de habitantes tem níveis de escolaridade e renda per capita acima da média nacional e uma taxa de desemprego de 5,2%, mais baixa que os 8,5% do país.

Apesar desses indicadores positivos, pesquisas recentes indicam que metade dos eleitores republicanos de New Hampshire têm como principal preocupação empregos e a economia em geral. Em terceiro lugar aparece o deficit e a dívida pública do país.

Questões sociais e polêmicas, como aborto ou imigração, com impacto em Iowa, aparecem no fim da lista de preocupações dos eleitores de New Hampshire.

Nesse cenário, o moderado Mitt Romney, ex-governador de Massachusetts, é o favorito na primária desta terça-feira, a primeira do calendário eleitoral – já que em Iowa a escolha dos candidatos foi feita em um caucus (assembleia de eleitores) – na disputa que vai definir o candidato do Partido Republicano para concorrer contra o presidente democrata Barack Obama na eleição presidencial de 6 de novembro.

Ataques

Depois de vencer o caucus de Iowa com vantagem de apenas oito votos sobre o segundo colocado, o ex-senador da Pensilvânia Rick Santorum, Romney lidera as pesquisas de intenção de voto em New Hampshire com até 20 pontos percentuais de margem sobre o segundo favorito no Estado, o deputado libertário Ron Paul.

Com a dianteira nas pesquisas, Romney passou os últimos dias se defendendo de ataques de seus adversários. Nos dois debates realizados no fim de semana, os demais pré-candidatos republicanos focaram em questionamentos sobre o histórico econômico e as credenciais conservadoras de Romney.

Na segunda-feira, os ataques continuaram por meio de vídeos com foco na carreira de empresário de Romney e acusações de que o ex-governador de Massachusetts costuma colocar “os lucros à frente das pessoas” em suas prioridades.

Segundo analistas, a margem de vitória de Romney nesta terça-feira poderá indicar se os ataques surtiram efeito. Caso sua vantagem caia muito, poderá representar dificuldades para as próximas etapas rumo à indicação do partido.

New Hampshire também deve testar a capacidade de Santorum de se manter em evidência, após seu surpreendente segundo lugar em Iowa, praticamente empatado com o favorito Romney.

De acordo com analistas políticos americanos, caso consiga se sair bem em New Hampshire, superando o ex-presidente da Câmara dos Representantes Newt Gingrich, Santorum pode se consolidar como uma alternativa “anti-Romney” mais à direita e com o apoio da ala mais conservadora do partido.

No entanto, Santorum encontrou em sua campanha em New Hampshire um eleitorado bem menos receptivo do que em Iowa, e chegou a ser vaiado em um debate com estudantes sobre casamento entre pessoas do mesmo sexo, que é legal no Estado e condenado pelo ex-senador.

Carolina do Sul

Direito de imagem Reuters
Image caption Primeiras urnas para primárias de New Hampshire foram abertas à meia-noite desta terça-feira

Com a vitória de Romney praticamente certa em New Hampshire, o foco na campanha republicana já está na Carolina do Sul, que realiza no dia 21 uma primária considerada decisiva e onde as questões sociais voltam a ter um peso maior para os eleitores.

Desde 1980, o vencedor da primária republicana na Carolina do Sul acabou ganhando a indicação do partido para concorrer à Presidência.

Até agora, Romney encabeça as pesquisas. De acordo com analistas, caso vença em New Hampshire e também na Carolina do Sul, o pré-candidato aumenta suas chances de ganhar a indicação do partido, que será oficializada somente em agosto, após uma maratona de prévias, na convenção nacional realizada na Flórida.

Uma pesquisa divulgada pelo Gallup na segunda-feira revela que seis em cada dez republicanos, independentemente do pré-candidato de sua preferência, acreditam que o ex-governador de Massachusetts é o que tem maiores chances de receber a indicação do partido. O resultado representa um salto comparado aos 39% registrados por Romney no mês passado.

O levantamento foi feito na semana passada, logo após o caucus de Iowa, a partir de entrevistas com 1.117 republicanos ou independentes com inclinação republicana.

O segundo colocado na pesquisa, Santorum, é percebido como favorito por apenas 11% dos entrevistados, bem atrás de Romney. Newt Gingrich aparece em terceiro, com 8%.

No entanto, outra pesquisa divulgada na segunda-feira, pela rede de TV CBS, revela que 58% dos republicanos gostariam de ter mais opções de candidatos à Presidência.

O resultado representa um aumento de 12 pontos percentuais sobre o levantamento anterior, de outubro, e indica que, em meio a um clima geral de frustração com a classe política nos Estados Unidos, muitos republicanos ainda estão à espera de um candidato que realmente empolgue.

O desânimo, porém, parece ser ainda maior entre os democratas. Enquanto 41% dos republicanos dizem estar mais entusiasmados com estas eleições do que em votações anteriores, entre democratas e independentes o percentual cai para apenas 21%.

Notícias relacionadas