Três sobreviventes são encontrados em navio mais de 24 horas após naufrágio

Passageiro sul-coreano resgatado do navio Costa Concordia Direito de imagem Reuters
Image caption Casal sul-coreano foi encontrado em boas condições de saúde dentro do Costa Concordia

Três passageiros foram encontrados com vida dentro do navio de cruzeiro Costa Concordia, mais de 24 horas após ele naufragar na costa da Itália.

Um casal de sul-coreanos em lua-de-mel foi retirado da embarcação na madrugada deste domingo. O terceiro sobrevivente, um tripulante foi localizado somente pela manhã e retirado no início da tarde, com uma suspeita de fratura na perna.

Até o momento, foram confirmadas três mortes no naufrágio - dois passageiros franceses e um turista peruano. Cerca de 40 pessoas ainda estão desaparecidas e 30 ficaram feridas, duas delas com gravidade.

O navio levava cerca de 4.200 pessoas, incluindo cerca de mil funcionários. A maioria dos turistas eram italianos, alemães e franceses.

Também havia 53 brasileiros a bordo, sendo 47 passageiros e seis tripulantes. Segundo informações passadas à BBC Brasil pelo Itamaraty e pela operadora Costa em São Paulo, todos sobreviveram.

O capitão do Costa Concordia foi detido para interrogatório, enquanto a polícia italiana investiga como ocorreu o acidente, apesar das condições tranquilas do mar naquele momento.

Mergulhadores

Direito de imagem AFP
Image caption Costa Concordia tombou na noite de sexta-feira, após se chocar perto da ilha de Gilgio

O casal de sul-coreanos foi localizado após equipes de resgate ouvirem vozes em uma cabine dentro do navio parcialmente submerso na noite do sábado, mas eles só puderam ser retirados muitas horas depois.

Os dois, ambos com 29 anos, estavam em boas condições de saúde.

Já na manhã deste domingo, uma terceira pessoa com vida foi localizada dentro do navio - um tripulante italiano retirado no início da tarde com suspeita de fratura na perna.

Mergulhadores continuam tentando vasculhar as partes submersas do navio, que tombou lateralmente próximo à ilha de Giglio.

A embarcação, operada pela empresa Costa Crociere, havia deixado o porto de Civitavecchia na manhã de sexta-feira para um cruzeiro de uma semana pelo mediterrâneo.

'Grande pedra'

O presidente da Costa Crociere, Gianni Onorato, afirmou que o principal foco da companhia era dar assistência aos sobreviventes e levá-los de volta aos seus países.

Ele afirmou ser difícil determinar o que aconteceu, mas afirmou que o navio sofreu um blecaute após se chocar com "uma grande pedra".

Direito de imagem AP
Image caption Equipes de resgate vasculham Costa Concordia em busca de pessoas ainda presas dentro do navio

"Trabalharemos com toda a transparência com as autoridades italianas para entender as causas do desastre", afirmou.

Ele afirmou que os procedimentos normais para evacuação com botes salva-vidas se tornaram "quase impossíveis" porque o navio virou muito rapidamente.

Muitos passageiros pularam na água gelada e nadaram os cerca de 300 metros que separavam a embarcação de terra firme. Alguns também se abrigaram no deck do navio e foram retirados de helicóptero.

Um promotor da cidade e Grosseto, que está investigando o acidente, afirmou que o capitão do navio, Francesco Schettino, teria se aproximado "de modo pouco hábil" da ilha de Giglio, segundo a agência de notícias italiana Ansa.

Schettino, de 52 anos, trabalha para a Costa Crociere há 11 anos.

Titanic

A maioria dos sobreviventes foi levada no sábado a Porto Santo Stefano, já na porção continental da Itália, a 25 quilômetros de Giglio.

Segundo o correspondente da BBC no local, Alan Johnston, muitos chegaram ainda enrolados em cobertores e vários ainda se mostravam abalados pelo que haviam enfrentado.

Alguns passageiros afirmaram à agência Associated Press que a tripulação não comunicou corretamente as instruções para a saída do navio.

Uma sobrevivente, Mara Parmegiani, afirmou à mídia italiana que houve "cenas de pânico".

"Estávamos muito assustados e congelando, porque aconteceu durante o jantar, então ninguém teve tempo de tomar mais roupas. Eles nos deram cobertores, mas não havia em quantidade suficiente", disse.

Vários sobreviventes disseram que tiveram de engatinhar pelos corredores já inclinados e compararam o acidente ao naufrágio do Titanic, em 1912, no qual mais de 1.500 pessoas morreram.

“É fácil fazer essa comparação, porque agora podemos entender o que aconteceu no Titanic”, disse a passageira Francesca Sinatra.

Notícias relacionadas