PIB dos EUA cresce em ritmo lento e indica tendência para 2012

Getty Images Direito de imagem Getty
Image caption Taxa de crescimento anualizada do PIB fica pouco abaixo do previsto pelo mercado

Depois de um início de ano difícil, a economia americana ganhou ritmo no quarto trimestre de 2011, com taxa de crescimento anualizada de 2,8%, segundo dados divulgados nesta sexta-feira pelo Departamento de Comércio.

Essa taxa anualizada, usada para medir o avanço do PIB (Produto Interno Bruto) nos Estados Unidos, é uma projeção de quanto o crescimento seria em um ano se mantido o mesmo ritmo, e equivale a um avanço de 0,7% no trimestre.

O resultado ficou um pouco abaixo do esperado pelo mercado, que projetava uma taxa anualizada de 3% para o período de outubro a dezembro, mas ainda assim foi o melhor trimestre de 2011 e bem acima dos 1,8% registrados nos três meses anteriores.

O avanço no quarto trimestre, porém, não foi suficiente para se traduzir em um desempenho vigoroso no ano. A economia americana fechou 2011 com crescimento de apenas 1,7%.

"O PIB do quarto trimestre não mostra uma recuperação decolando. É consistente com uma melhora contínua e gradual", diz o analista Nigel Gault, economista-chefe da consultoria IHS Global Insight nos Estados Unidos.

Desemprego

O FMI projeta crescimento de 1,8% para a economia americana em 2012.

O otimisto gerado pelos indicativos de que a economia dos EUA vai seguir um ritmo gradual de recuperação, ainda que lento, é prejudicado pelo fato de que essa taxa de crescimento ainda é insuficiente para reverter os altos níveis de desemprego.

Durante a recessão, mais de 8 milhões de vagas foram perdidas nos Estados Unidos.

Apesar de ter apresentado uma trajetória de queda nos últimos, a taxa de desemprego ainda permanece alta, em 8,5%. O próprio governo diz que deve levar alguns anos até que o desemprego chegue a um patamar considerado normal, em torno de 6%.

Nesse cenário, o presidente Barack Obama, que concorre à reeleição em 6 de novembro, tem focado seu discurso na economia, que é a principal preocupação dos eleitores americanos, segundo pesquisas de opinião.

Notícias relacionadas