Manifestações no Cairo deixam centenas de feridos

Homem segura jornal com manchete da tragédia em Porto Said (Foto: AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Mortes em estádio provocaram manifestações e críticas à polícia egípcia

Cerca de 400 pessoas ficaram feridas nesta quinta-feira no Cairo durante confrontos entre a polícia egípcia e manifestantes que protestavam contra a violência nos estádios.

Na praça Tahrir, autoridades usaram gás lacrimogêneo para tentar conter a multidão, revoltada com um confronto entre torcedores após um jogo de futebol ocorrido na véspera em Porto Said. O conflito deixou mais de 70 mortos e centenas de feridos.

O manifestantes acusam a polícia de não agir para garantir a segurança depois da partida, em que torcedores do Al-Masry invadiram o gramado depois que o time local venceu por 3 a 1 o Al-Ahly, do Cairo.

Muitos morreram prensados contra as grades do estádio ou caíram das arquibancadas, enquanto outros foram alvejados com pedras, cadeiras e até facas.

Direito de imagem AP
Image caption Testemunha diz que 'dava para ver ódio nos olhos' de torcedores em confronto

O episódio provocou uma nova onda de tensão no Egito e abalou a confiança em relação ao conselho militar governante, em um momento em que o país se prepara para eleições presidenciais cujo objetivo é transferir o poder para um governo civil.

Em resposta, o governo - que declarou três dias de luto oficial - convocou reuniões emergenciais de gabinete nesta quinta.

Confronto político

A tragédia ganhou contornos políticos, já que além dos protestos, a Irmandade Muçulmana, maior partido do atual Parlamento, acusou simpatizantes de Mubarak de provocarem os distúrbios para levar o "caos" ao Egito.

O partido acusa os generais de fomentar o confronto para evitar uma transferência pacífica do poder. Há ainda especulações dizendo que partidários to ex-líder teriam incentivado torcedores do Al-Masry a entrarem em choque com os rivais do al-Ahly, por terem participado dos grandes protestos pró-democracia.

No entanto, o correspondente da BBC no Oriente Médio Wyre Davies afirma que essas teorias, no momento, não passam de meras especulações.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Vítimas (veladas por mulheres acima) morreram em briga entre torcedores do Al-Masry e do Al-Ahly

“Muitos dos torcedores do al-Ahly participaram das batalhas na praça Tahrir, lutando por mais emprego e oportunidades. Eles têm ódios dos privilégios das autoridades”, afirma Davies.

“Mas o que sabemos com certeza é que a polícia mal treinada e mal paga falhou na hora de separar torcedores rivais com um histórico de violência. Após a queda de Mubarak, é de se esperar que haja união, na expectativa de uma nova era. Mas a realidade é que o Egito continua mergulhado no caos.”

'Qualquer lugar do mundo'

Hussein Tantawi, líder do conselho militar egípcio, esteve em uma base aérea do Cairo para se encontrar com torcedores e jogadores do Al-Ahly que haviam sido removidos de Porto Said.

"(O episódio) não vai derrubar o Egito", disse o líder militar, segundo a agência Associated Press. "Esses incidentes podem ocorrer em qualquer lugar do mundo. Não deixaremos os culpados escaparem."

Nesta quinta, autoridades de Porto Said e da associação de futebol do Egito foram demitidas por conta do episódio. O governador local renunciou, enquanto o diretor de segurança da cidade e o chefe de investigações policiais foram suspensos e estão sob custódia policial.

Notícias relacionadas