Contra a infidelidade, região indonésia transfere salário de homens às esposas

Dinheiro indonésio Direito de imagem AFP

O governo da Província de Gorontalo, na Indonésia, transformou em política pública um imbróglio envolvendo o salário de maridos supostamente infiéis e suas esposas e amantes.

A partir de março, o salário dos funcionários públicos casados será depositado diretamente na conta de suas mulheres oficiais.

Segundo o porta-voz do governo provincial, Rudi Iriawan, a decisão foi tomada para combater a infidelidade, devido à crescente reclamação das esposas de que recebiam de seus maridos "dinheiro apenas para comprar a comida do dia". A principal razão seria a partilha do salário entre amantes e esposas.

De acordo com o governo, a iniciativa visa diminuir os casos extraconjugais.

As esposas também reclamavam da falta de transparência dos maridos nas questões financeiras.

"Ficamos preocupados com a questão. Então, achamos melhor que o salário dos servidores fosse depositado diretamente nas contas de suas esposas", disse Iriawan.

'Casos extraconjugais'

De acordo com o porta-voz, a decisão permitirá que "cada centavo do pagamento (do salário) possa ser usado para cobrir despesas domésticas em vez de financiar assuntos extraconjugais".

A medida divide os servidores, mas há quem aprove a iniciativa.

O funcionário público Saleh Yusuf opina que a decisão do governo é correta. "É a minha mulher que tem acesso ao meu salário, de qualquer forma. Ela fica com o meu cartão de banco", diz.

No caso dos servidores que tenham mais de uma esposa, prática comum em países de maioria muçulmana, apenas a esposa oficial receberá o salário.

Para ser válido, o casamento na Indonésia precisa ser registrado civilmente e no Departamento de Assuntos Religiosos.

Notícias relacionadas