Brasileiro internado após incêndio em Honduras tem quadro estável, diz Itamaraty

Familiares das vítimas. AFP Direito de imagem AFP
Image caption Mais de 350 detentos morreram na última terça, e corpos estão sendo retirados

O brasileiro Adilio Gomes Sobral, um dos atingidos pelo incêndio que matou mais de 350 pessoas no presídio de Comayagua, em Honduras, não sofreu ferimentos graves e seu quadro de saúde é estável, informou neste sábado o Ministério das Relações Exteriores.

Sobral foi internado após o incêndio, ocorrido na noite da última terça-feira. O brasileiro aguarda sentença por tráfico de pessoas e abuso de menores, mas se diz inocente.

Nessa sexta-feira, o Itamaraty informou que o brasileiro "deve retornar em breve ao sistema prisional" local.

Sobral foi visitado pelo embaixador Zenik Krawctschuk, que checou pessoalmente seu estado de saúde após informações desencontradas e a falsa notícia de que o detento teria morrido.

Na quinta-feira, o Itamaraty chegou a dizer que um brasileiro estava entre os mortos pelo incidente, mas a informação não se confirmou.

Situação confusa

O Itamaraty não divulgou o nome ou a idade do brasileiro, nem se ele foi internado com queimaduras ou com intoxicação por fumaça.

Segundo a assessoria do Itamaraty, a situação em Honduras ainda é confusa, com muitas informações desencontradas.

O incêndio, que teve início na noite de terça-feira, é o pior já registrado em um presídio latino-americano. Ainda não se sabe o que provocou o incidente.

Havia 800 detentos no presídio no momento do incêndio. A prisão de Comayagua tem capacidade para 400 pessoas.