Conheça os diferentes grupos políticos que lutam contra o governo na Síria

Oposição na Síria
Image caption Oposição síria, que passou anos na clandestinidade, foi às ruas em 2011 contra o regime

O governo sírio está enfrentando a oposição de uma série de grupos políticos, alguns que já existem há anos e outros que surgiram no final de 2010, quando começou a onda de protestos no Oriente Médio.

Partidos de oposição são proibidos na Síria desde 1963, quando o Partido Baath tomou o poder e implementou algumas leis de emergência.

Entre as dezenas de partidos na ativa estão esquerdistas, secularistas, islamistas e nacionalistas árabes. Décadas de repressão obrigou as siglas a operarem na clandestinidade ou no exílio. A oposição formal ao governo é fragmentada e enfraquecida.

Diversos grupos tentaram formar uma frente unida para fazer face ao governo, que está determinado a ficar no governo.

Irmandade Muçulmana

Participação na Irmandade Muçulmana era crime com possibilidade de pena de morte em 1980. Dois anos depois, o então presidente Hafez Al-Assad derrotou uma revolta armada da Irmandade na cidade de Hama. Grupos de direitos humanos afirmam que pelo menos 20 mil pessoas morreram.

O líder do grupo, Mohammad Riad Shaqfa, que vive no exílio, diz que a Irmandade busca mudanças democráticas não-violentas para substituir o regime autocrático por um sistema mais plural. A Irmandade afirma que não quer transformar a Síria em um Estado islâmico.

Partidos curdos

Grupos curdos vêm buscando direitos civis para seu grupo étnico, mas as autoridades estão tentando organizar a minoria a sua maneira, ao prender alguns líderes curdos e negociar diretamente com algumas tribos.

Grupos de direitos humanos afirmam que os curdos sírios enfrentam "preconceito sistêmico" no país, e que dezenas de milhares continuam sem nacionalidade desde reformas na legislação síria nos anos 1960.

Conselho Nacional da Síria (CNS)

Direito de imagem AFP
Image caption Conselho Nacional da Síria, de Burhan Ghalioun, não aceita diálogo com o regime

O Conselho Nacional da Síria – formado na Turquia no segundo semestre de 2011 – reúne diversos grupos políticos de oposição da Síria. O líder Burhan Ghalioun disse que a CNS une "forças de oposição e de revolução pacífica".

O CNS inclui:

  • A Declaração pela Mudança Democrática: um movimento nascido na "Primavera de Damasco" de 2000/2001, que exige amplas reformas democráticas, mas que foi ignorado pelo governo.
  • A Irmandade Muçulmana.
  • Os Comitês de Coordenação Local: movimentos populares que lideraram protestos em todo o país.
  • A Comissão Geral da Revolução Síria: i,a coalizão de 40 grupos populares de oposição.
  • Facções curdas, líderes tribais e grupos independentes.

O CNS quer derrubar o governo e rejeita qualquer tipo de diálogo com o regime. Oficialmente o grupo se opõe a intervenção militar estrangeira, mas defende que a comunidade internacional "proteja o povo sírio".

Comitê Nacional de Coordenação (CNC)

O Comitê Nacional de Coordenação (CNC), formado em setembro de 2011, é composto por grupos de oposição dentro da Síria. O CNC pede uma mudança pacífica, se opõe à intervenção militar internacional e acredita que integrantes do atual regime podem ter um papel na transição, segundo Hussein Abdul Azim, um dos líderes do movimento.

Para o CNC, uma possível derrubada do governo provocaria caos em todo o país.

O CNC desafia a primazia do Conselho Nacional Sírio e é contra a influência da Irmandade Muçulmana.

Exército pela Libertação da Síria (ELS)

Direito de imagem Reuters
Image caption Riyad al-Asad lidera grupo de desertores que se uniram ao Exército pela Libertação da Síria

O Exército pela Libertação da Síria (ELS) foi formado em agosto de 2011 por desertores do Exército do governo sírio. Ele é liderado pelo ex-militar Riyad al-Asad.

O grupo diz estar "trabalhando lado a lado com o povo para obter liberdade e dignidade, derrubar o regime, proteger a revolução e os recursos do país, e se levantar contra a máquina militar irresponsável que protege o regime".

A força do Exército pela Libertação da Síria ainda é desconhecida. O grupo dizia contar com mais de 15 mil pessoas em outubro, mas há relatos diários de novas deserções das Forças Armadas do governo. Os desertores estariam se juntando ao ELS.

O grupo admite não ter força suficiente para enfrentar o Exército sírio, que possui mais de 200 mil soldados.

Com base na Turquia, os combatentes lançaram ataques cada vez mais violentos e mortais contra as forças sírias na província de Idlib, no noroeste do país, além de ações em Homs, Hama e nos subúrbios de Damasco.

Em janeiro, moradores de Zabadani, uma cidade que fica em uma região montanhosa 40 quilômetros ao noroeste da capital, disseram que o local havia sido "libertado" pelo ELS. Poucos dias depois, eles teriam tomado por algumas horas Douma, um subúrbio a 10 quilômetros de Damasco.

O líder do ELS aceitou coordenar operações do seu Exército com ações do Conselho Nacional Sírio, que inicialmente havia manifestado oposição à luta armada na Síria.

Notícias relacionadas