Colômbia diz ter matado 35 guerrilheiros das Farc

Guerrilheiro das Farc/AP Direito de imagem ap
Image caption As Farc disseram que vão acabar com os sequestros por dinheiro

Forças colombianas mataram ao menos 35 suspeitos de pertencerem ao grupo guerrilheiro Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e prenderam outros quatro, segundo disse nesta segunda-feira o presidente do país, Juan Manuel Santos.

Santos fez o anúncio em encontro de seu gabinete de segurança na cidade de Villavicencio, menos de uma semana após o Exército colombiano ter matado outros 33 guerrilheiros em um bombardeio contra um acampamento das Farc.

O presidente colombiano elogiou os "ótimos resultados" do Exército e disse que duas das pessoas detidas na operação são mulheres.

"Às 3h30 desta manhã teve início uma operação", disse Santos.

Outra operação

Santos disse que os resultados da ação se somam "aos da operação ocorridas em Arauca na semana passada" na qual foram mortos outros 33 guerrilheiros das Farc.

O bombardeio atingiu um acampamento da guerrilha no Departamento (Província) de Arauca, no nordeste do país, próximo à fronteira com a Venezuela.

Outros 12 rebeldes foram capturados. Santos disse que as operações foram um "grande golpe" contra as Farc.

No último fim de semana, os rebeldes mataram 11 soldados em uma emboscada em Arauca - o maior ataque da guerrilha em meses.

Greve de fome

A nova onda de violência ocorre após a proposta de paz das Farc, julgada insuficiente pelo governo.

Direito de imagem AFP
Image caption Nova onda de violência ocorre após proposta de paz feita por guerrilheiros

O comando da guerrilha disse no mês passado que pretende libertar 10 militares sequestrados.

As Farc anunciaram, ainda, planos de libertar seis policiais e quatro soldados que mantêm cativos. A guerrilha afirmou também que irá abandonar a prática dos sequestros por dinheiro.

Também na semana passada, um grupo de ex-guerrilheiros das Farc detidos em mais de 10 penitenciárias colombianas começou uma greve de fome em protesto à negativa do governo em reconhecê-los como prisioneiros políticos.

O grupo também reivindica que o governo de Santos autorize uma visita humanitária às prisões da Colômbia.

Oficialmente a Colômbia tem cerca de 8 mil presos nestas condições. A Corporação Arco-Íris, que estuda o conflito armado colombiano, estima que 9,5 mil ex-guerrilheiros das Farc e de outras guerrilhas, como o Exército de Libertação Nacional (ELN), estejam detidos em presídios do país e dos Estados Unidos.

Notícias relacionadas