Papa reforça papel mediador da igreja na abertura política de Cuba

Bento 16 | Foto: AP Direito de imagem AP
Image caption Em viagem à América Latina, papa Bento 16 passou pelo México e embarca agora rumo a Cuba

Dias após fazer críticas indiretas ao regime cubano no México, o papa Bento 16 desembarcou em Cuba, nesta segunda-feira, em sua primeira viagem oficial ao país. Para analistas, a principal missão do pontífice é fortalecer o papel da Igreja Católica como mediadora junto ao governo nas negociações para a libertação de presos políticos.

Embora o regime de Cuba seja declaradamente ateu, a política atual da igreja cubana é de aproximação com o governo de Raúl Castro, irmão e sucessor de Fidel Castro.

A aproximação é um novo capítulo nas relações entre Cuba e a Santa Sé, que já passou por altos e baixos. Nos anos 1960, a tensão chegou ao ponto de o líder cubano Fidel Castro ser excomungado pelo papa João 23.

Para Enrique López Oliva, professor de religião da Universidade de Havana, a visita de Bento 16 ao país tem um caráter muito definido.

Segundo ele, o papa "vem em primeiro lugar dar respaldo à política do Cardeal Jaime Ortega" de aproximação com o governo.

A excomunhão, no entanto, não impediu que o papa João Paulo 2º visitasse o país em 1998 e que Bento 16 agora repita a viagem, 14 anos depois.

Nos últimos anos, a colaboração entre a Igreja e o Estado cubano passam por temas delicados como a libertação de presos políticos e comuns. Em dezembro de 2011, Cuba libertou quase 3 mil prisioneiros como "gesto de boa vontade", após receber pedidos de parentes e instituições religiosas.

Meses antes, em julho, o governo libertou 52 dissidentes que estavam presos desde 2003, após um acordo com líderes católicos.

Igreja ganha espaço

Direito de imagem AP
Image caption Presidente cubano Fidel Castro recebe o papa João Paulo 2º em Cuba, ainda em 1998

López Oliva afirma que "o setor da Igreja mais envolvido nas negociações domina o Episcopado Católico. Houve uma renovação com gente jovem, gente que talvez não tenha sofrido ou não tenha participado no conflito igreja-Estado nas décadas de 1960 ou 1970".

Segundo o professor, a igreja quer um maior acesso à educação e aos meios de comunicação. A instituição "já possui a única revista independente de crítica política de Cuba, a Espacio Laical, na qual escrevem acadêmicos, críticos e pessoas da Igreja".

Além disso, "o seminário de São Carlos e São Ambrósio se transformou no Centro de Diálogo Félix Varela de Cultura, onde figuras da revolução, vozes da igreja e até alguns opositores (do regime) se reúnem para debater problemas nacionais", de acordo com Oliva.

Ele acredita que estes espaços são importantes para o clero, por causa da perda de fiéis expressiva que a Igreja Católica sofreu em Cuba.

"Você vai em um domingo e as igrejas católicas estão semi-vazias ou vazias, enquanto os templos pentecostais têm tanta gente que não cabe dentro", diz.

O bispo Juan de Dios Hernandez confirma que a Igreja Católica cubana aspira "a um espaço nos meios de comunicação mais sistemático" e a "uma possibilidade no âmbito educativo", ou seja, voltar a ter escolas católicas como antes de 1959.

"Todo o espaço que a igreja consegue com este diálogo (com o governo) é um espaço também para o povo, a partir da fé. Não teria sido possível a saída dos presos (políticos) sem esse diálogo e também não teria sido possível o indulto de mais de 2 mil presos (comuns)", diz Hernandez.

O bispo participou de encontros com o Raúl Castro e o descreveu como "uma pessoa muito direta, de agenda e pontos concretos, que não dá voltas e tem um conceito operativo da vida".

"(Ele) trata de que as coisas aconteçam e não fiquem somente no discurso", afirma.

Notícias relacionadas