Caso Breivik revela incompreensão da loucura, diz psiquiatra

Foto: AFP Direito de imagem AFP
Image caption Breivik quer ser condenado à morte ou absolvido

Um especialista britânico afirmou que crimes como os cometidos por Anders Breivik ilustram a incompreensão do público sobre doenças mentais.

O professor e psiquiatra Simon Wessely, do King's College de Londres, disse que a resposta imediata a assassinatos em massa é de que o acusado pelos crimes "deve ser louco".

Mas, de acordo com o especialista, a forma que Breivik conduziu os assassinatos sugere o contrário.

Wessely também afirmou que a ideia de que o diagnóstico psiquiátrico poderia ajudar pessoas a evitarem punição é errada.

Escrevendo para a revista especializada Lancet, o professor disse que usar a doença mental como estratégia de defesa na Grã Bretanha poderia levar a pessoas (o réu) a ficar mais tempo na prisão.

"A psiquiatria forense não é uma opção branda ou popular", afirmou.

'Forma meticulosa'

O psiquiatra também disse que o caso Breivik revela outra incompreensão, a de que crimes chocantes significam doença mental.

"Se esquizofrenia explica as ações de Breivik, estas ações teriam que ser o resultado de alucinações".

"A forma meticulosa pela qual ele planejou seus ataques não tem a ver com a desorganização da esquizofrenia", acrescentou o especialista.

Breivik está sendo julgado na Noruega.

O homem, de 33 anos, admite ter assassinado 77 pessoas em Oslo e na ilha de Utoya em julho passado, mas nega responsabilidade criminal.

Dois relatórios sobre a saúde mental de Breivik têm visões opostas sobre a sanidade do réu.

A corte determinará se ele deve ser mandado para a cadeia ou para tratamento psiquiátrico.

Breivik afirma que não é insano e que deveria ser condenado à morte ou absolvido.

Links de internet relacionados

A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos de internet