Farc dizem que jornalista francês será liberado em breve

Ancizar/Reuters Direito de imagem BBC World Service
Image caption O comandante deu a entender que a situação seria resolvida rapidamente

As Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) divulgaram neste domingo um vídeo em que confirmam que o jornalista francês desaparecido Romeo Langlois está em seu poder. O grupo afirmou ainda que o refém deve ser libertado "em breve".

A confirmação de que Langlois, que no sábado completou uma semana desaparecido, está nas mãos do grupo foi divulgada no YouTube.

O vídeo foi divulgado por um grupo de correspondentes estrangeiros que gravou imagens de um comandante do esquadrão da Frente 15 (uma unidade das Farc) lendo um comunicado em que os guerrilheiros dizem que Langlois é "prisioneiro de guerra.".

Na gravação, o comandante, identificado como "Ancízar", repetiu o comunicado das Farc divulgado pela primeira vez em 1º de maio. Ele também deu a entender que o grupo guerrilheiro espera que a situação seja resolvida "em breve".

"Não estou autorizado a dar declarações em nome de superiores, mas concluímos que ele realmente é francês, se chama Romeo Langlois, é jornalista e, com essa informação, esperamos que rapidamente superemos esse impasse", disse o comandante rebelde.

Mais tarde, a declaração seria reforçada por meio da conta de Twitter @FARC_COLOMBIA que postou a frase "Romeo Langlois, um jornalista francês, em breve será libertado."

"Não foi um sequestro, ele foi capturado em combate", acrescenta o comunicado no Twitter.

Uniforme

O primeiro comunicado, que também dizia que o correspondente do Le Figaro e do France 24 na Colômbia tinha sido capturado "em combate" e vestindo "uniforme militar", foi recebido com ceticismo em algumas áreas por não ter sido transmitido pelos canais habituais das Farc, mas sim por um telefonema.

Direito de imagem AFP
Image caption O jornalista francês viajava com uma patrulha militar quando foi capturado pelos guerrilheiros

No mesmo comunicado, as Farc diziam que Langlois tinha sido capturado durante um confronto entre um grupo de guerrilheiros e policiais e militares com os quais viajava junto.

O grupo afirmou ainda que o jornalista havia sofrido um ferimento no braço durante o confronto, mas estaria "fora de perigo."

"No momento, não há informações sobre o destino de Romeo", disse à BBC o jornalista britânico Karl Penhaul, que junto com o fotógrafo chileno Carlos Villalon, fez contato com os insurgentes.

Langlois foi capturado há uma semana, quando acompanhava uma patrulha do Exército para fins jornalísticos.

Penhaul, baseado em Bogotá há mais de 15 anos e amigo pessoal de Langlois, disse que, no início, os guerrilheiros pensaram que o francês poderia ser militar.

Na Colômbia, jornalistas não costumam viajar juntos com militares, que os evitam levar a locais de possíveis conflitos.

No momento da captura, o jornalista e documentarista francês de 35 anos estaria vestindo colete e capacete militar, segundo o ministro da Defesa colombiano, Juan Carlos Pinzón.

O ministro afirmou que apenas posteriormente o jornalista se identificou como sendo um civil.

Com Informações de Arturo Wallace, da BBC Mundo em Bogotá

Notícias relacionadas