Grécia retoma negociações para governo de coalizão na segunda-feira

Karolos Papoulias chegando às reuniões deste domingo em Atenas (AFP/Getty) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Karolos Papoulias deve retomar negociações nesta segunda-feira

O presidente da Grécia, Karolos Papoulias, vai retomar na segunda-feira as negociações para tentar formar um governo de coalizão e encerrar a crise política no país.

Papoulias passou a maior parte do domingo reunido com líderes dos partidos menores da Grécia, para tentar fechar um acordo e evitar a convocação de novas eleições.

Na parte da manhã, o presidente grego se reuniu com líderes dos três maiores partidos, o de centro direita Nova Democracia, o socialista Pasok e o de esquerda Syriza, mas não conseguiu fechar um acordo.

O líder do partido de esquerda Syriza, Alexis Tsipras, rejeitou as propostas do presidente e voltou a afirmar que eu partido não pode apoiar qualquer governo de coalizão que dê apoio às medidas de austeridade associadas ao pacote de ajuda econômica de 130 bilhões de euros da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Eles não estão tentando um acordo com o Syriza... eles estão nos pedindo para sermos seus parceiros de crime, mas não vamos ser cúmplices", disse Tsipras neste domingo ao rejeitar uma coalizão com o Nova Democracia.

O país passou por eleições no domingo passado, mas nenhum dos partidos conseguiu maioria no Parlamento para formar um governo.

Pesquisas de opinião sugerem que a popularidade do Syriza, que ficou em segundo nas eleições, atrás do Nova Democracia, continua a crescer.

Segundo analistas, a convocação de uma nova eleição poderia levar o Syriza ao poder, criando uma coalizão contra a ajuda econômica da União Europeia e do FMI e colocando em risco a permanência da Grécia na zona do euro.

Reuniões e acusações

Papoulias, de 82 anos, se reuniu durante a tarde e início da noite com os líderes de quatro outros partidos que conseguiram votos suficientes para conquistar cadeiras no Parlamento grego.

O primeiro deles foi Pano Kammenos, líder do partido nacionalista Gregos Independentes, seguido de Aleka Papariga, do partido comunista KKE, e, depois, Nikolaos Michaloliakos, do partido de extrema direita Aurora Dourada.

A última reunião do presidente grego foi com Fotis Kouvelis, líder do partido Esquerda Democrática, que é visto por alguns como o único dos menores que pode ser um parceiro de coalizão, apesar de sua rejeição das medidas de austeridade.

O Esquerda Democrática vinha pedindo a inclusão do Syriza em uma coalizão de governo. Mas, o líder do partido Alexis Tsipras também entrou em confronto com o Esquerda Democrática, acusando o partido menor de concordar em formar uma coalizão com o Nova Democracia e o Pasok.

Em seu site, o Esquerda Democrática nega qualquer acordo.

O próprio líder do partido, Fotis Kouvelis, se mostrou pessimista antes da reunião com o presidente.

"Tenho dúvidas de que um acordo vai surgir... tenho poucas esperanças", teria dito Kouvelis à agência de notícias AFP.

Se, como o esperado por analistas, as negociações de segunda-feira fracassarem, uma nova eleição deve ser marcada para junho.

Notícias relacionadas