Órgão britânico divulga lista dos dez comerciais mais polêmicos

Anúncio do KFC (imagem cedida pela ASA)
Image caption Pais reclamaram de anúncio por ser 'mau exemplo' para filhos

O órgão regulador de publicidade da Grã-Bretanha divulgou uma lista com os dez anúncios comerciais que mais receberam reclamações no país.

A lista traz anúncios que receberam protestos por conterem referências sexuais, violência, linguagem ofensiva, crueldade com animais e blasfêmia.

Mas o campeão de reclamações foi um anúncio da rede de lanchonetes Kentucky Fried Chicken, exibido em 2005, quem mostra telefonistas de um serviço de call center cantando de boca cheia. O anúncio recebeu um total de 1.671 protestos.

A maioria dos protestos vinham de pais que acharam que o anúncio poderia estimular crianças a falar de boca cheia.

O argumento de que o anúncio poderia induzir a maus hábitos entre crianças e minar a autoridade dos pais, entretanto, não foi acatada pelo órgão e o comercial permaneceu sendo exibido.

A compilação feita pela Autoridade de Padrões de Publicidade (ASA, na sigla em inglês) foi divulgada por ocasião do aniversário de 50 anos do órgão.

Chutando um gato

Image caption Comercial mostra jogador de futebol cego chutando um gato por engano

Outro anúncio que recebeu muitos protestos foi um que mostrava um jogador de futebol cego que chuta por engano um gato, confundindo o animal com a bola. O anúncio gerou 1.313 protestos, mas não foi tirado do ar pelo órgão regulador.

Mas anúncios que envolviam religião e nudez acabaram sendo retirados de circulação. Um comercial defendendo o uso de camisinhas que trazia a imagem do papa foi cancelado após ter sido alvo de 1.192 reclamações.

Um anúncio da grife Yves Saint Laurent que mostrava a modelo Sophie Dahl completamente nua, reclinada, acabou também tendo sua circulação suspensa, após 948 pessoas terem reclamado de seu conteúdo.

O número de reclamações vêm crescendo. Nas últimas cinco décadas, a ASA recebeu 431 mil reclamações, das quais 31 mil foram realizadas somente no ano passado.

''Nos últimos anos, se tornou mais fácil reclamar pela internet. E a indústria publicitária vem até estimulando consumidores a protestar, de modo a estimular a sua posição como autorreguladora'', afirma Claire Beale, editora da revista especializada em publicidade Campaign.

Image caption Comercial trazia imagem do papa com dizeres ''sempre usarás camisinha''

A editora afirma ainda que as mídias sociais também se tornaram um canal para reclamações. Mas a despeito das formas de protesto terem mudado, os temas permanecem sendo os mesmos, comenta Claire Beale. ''São, de um modo geral, temas provocativos. Sexo e crianças são os principais'', afirma.

Em relação ao comercial campeão de reclamações, a editora da publicação especializada comenta que ''claramente a KFC estava tentando criar um anúncio que fosse comentado e que se destacasse nos cada vez mais atribulados intervalos comerciais''.

Mas ela acrescenta que ''ao fazê-lo, eles foram muito além do que pode ser considerado um comportamento razoavelmente aceitável em comerciais e claramente tocou em um ponto sensível entre pais que acreditavam que o anúncio oferecia um mau exemplo para crianças a fim de causar um choque e, com isso, aumentar o perfil do comercial''.

Notícias relacionadas