Corpo do escritor e cronista Ivan Lessa é cremado em Londres

Ivan Lessa | Foto: BBC Brasil
Image caption Cofundador do Pasquim, conhecido pela resistência à ditadura militar, Ivan Lessa morreu aos 77 anos

O corpo do escritor e cronista Ivan Lessa, que morreu no último dia 8 de junho, em sua casa em Londres, foi cremado nesta sexta-feira no cemitério de Putney, no sudoeste da capital britânica.

Colaborador da BBC Brasil desde 1978, ano em que se radicou em Londres, Ivan Lessa lutava há anos contra um enfisema pulmonar. Ele tinha 77 anos.

A doença havia levado o escritor a deixar de frequentar diariamente a redação da BBC Brasil para escrever suas colunas.

Muitos amigos do cronista e também o embaixador do Brasil na Grã-Bretanha, Roberto Jaguaribe, acompanharam a cerimônia.

A cremação foi precedida por discursos de Graça Fish, funcionária do departamento cultural da embaixada, e de Thomas Pappon, colega de Ivan na BBC Brasil.

A família do escritor, sua viúva Elizabeth e sua filha Juliana pretendem levar as cinzas para Portugal, país onde Ivan passava férias.

Leia mais sobre o trabalho e a vida de Ivan Lessa

Biografia

Filho único dos também escritores Elsie e Orígenes Lessa, Ivan era colaborador da BBC desde janeiro de 1978, quando decidiu deixar o Brasil para viver em Londres.

Antes de se mudar definitivamente para a Grã-Bretanha, o escritor já havia passado um período de três anos na cidade, entre 1968 e 1972, também trabalhando para o serviço brasileiro da BBC.

Após sua mudança, ele retornou apenas uma vez ao Brasil, para uma breve visita em 2006, a convite da revista Piauí, para escrever um artigo sobre suas impressões do Rio de Janeiro após 28 anos de ausência.

Conhecido pelo humor cáustico e pela fina ironia de seus textos, Ivan foi um dos fundadores do jornal O Pasquim, que ganhou fama pela resistência à censura durante o regime militar.

Ao lado do cartunista Jaguar, também cofundador do Pasquim, ele criou o personagem Sig, o ratinho inspirado no fundador da psicanálise Sigmund Freud que se tornou símbolo da publicação.

Ivan publicou três livros - Garotos da Fuzarca (1986), Ivan Vê o Mundo - Crônicas de Londres (1999) e O Luar e a Rainha (2005).

Também participou do livro Eles Foram para Petrópolis, de 2009, uma compilação da sua troca de correspondência por e-mails com o amigo e também jornalista Mario Sérgio Conti.

O escritor também trabalhou na TV Globo e foi colaborador de diversas publicações brasileiras, entre elas as revistas Senhor, Veja e Playboy, e os jornais Folha de S. Paulo, O Estado de S.Paulo e Jornal do Brasil.

Nos últimos anos, Ivan vinha publicando três colunas semanais no site da BBC Brasil - a última delas publicada na manhã do dia 8 de junho, pouco antes de sua morte.

Na ocasião, a presidente Dilma Rousseff lamentou a morte do escritor. "Ivan Lessa foi um escritor indomável. Foi irônico, mordaz, provocador, iconoclasta e surpreendentemente lírico – acima de tudo brilhante no trato com as palavras", afirmou, em nota oficial.