Londres 2012: Milhares de atletas e autoridades começam a chegar para os Jogos

Com chegada de atletas, Heathrow deve ter recorde de movimento (PA) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Com chegada de atletas, Heathrow deve ter recorde de movimento

Milhares de atletas e autoridades começaram a chegar a Londres nesta segunda-feira para os Jogos Olímpicos, a 11 dias da cerimônia de abertura.

A expectativa de movimentação no aeroporto internacional de Heathrow é de até 236.955 mil passageiros apenas nesta segunda-feira, ultrapassando o recorde estabelecido em 31 de julho de 2011, quando 233.562 passaram pelo aeroporto.

Em média, cerca de 190 mil passageiros passam por Heathrow em dias normais.

"Hoje tem início o maior desafio de transporte para a Grã-Bretanha em tempos de paz e o período mais movimentado de Heathrow", disse Nick Cole, diretor de planejamento para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos da BAA, administradora de Heathrow.

Atletas e autoridades deverão se dirigir para a Vila Olímpica, do outro lado da capital britânica, sendo as primeiras pessoas a usar as faixas de tráfego exclusivas para os participantes dos Jogos Olímpicos.

Críticos afirmam que estas faixas na rota entre Heathrow e a Vila Olímpica podem causar congestionamento. No entanto, o prefeito de Londres, Boris Johnson, afirma que a cidade está pronta.

"Londres está pronta. Na verdade, está mais pronta do que qualquer outra cidade olímpica nesta fase dos procedimentos", disse Johnson em entrevista à BBC.

O Ministro da Imigração, Damian Green, disse que os funcionários do setor estarão em "modo olímpico total" e, no domingo, prometeu que todos os balcões da Imigração Britânica estarão operando nos horários de pico no aeroporto de Heathrow.

Ainda no aeroporto, os voluntários vão direcionar os atletas para ônibus e trens que os levarão para a Vila Olímpica em Stratford, no leste de Londres, que abre suas portas também nesta segunda-feira. O local vai abrigar até 16 mil atletas e autoridades.

Os atletas do Time Brasil, que irão treinar no Centro de Treinamento de Crystal Palace antes e durante as competições, também já começam a chegar na cidade.

A saltadora Keila Costa e toda a equipe de natação já estão nas instalações reservadas exclusivamente para o Brasil nos Jogos.

Na terça-feira, a equipe de atletismo e o time de judô também desembarcam em Londres. Os judocas, no entanto, irão diretamente para a cidade de Sheffield, a cerca de duas horas e meia de Londres, local escolhido para a aclimatação dos atletas.

'Pista dos Jogos'

Todos os que saírem do aeroporto de Heathrow já poderão usar a chamada "Pista dos Jogos", a faixa exclusiva para uso de atletas e autoridades e principal rota ligando o aeroporto e a Vila Olímpica.

A partir da próxima semana também serão abertos mais de 48 quilômetros de pistas na Rede da Rota Olímpica, cujo uso será restrito para autoridades e atletas e liberado para todo o trânsito apenas durante a noite.

O ministro dos Esportes, Hugh Robertson, afirmou que as autoridades planejam suspender as restrições se elas causarem congestionamentos.

No entanto, Kevin Delaney, do Instituto de Motoristas Avançados da Grã-Bretanha, afirmou que estas pistas podem piorar os problemas de trânsito em Londres.

"Se qualquer coisa der errado na rede de transportes do centro e outras áreas de Londres, a tendência é termos uma quantidade totalmente desproporcional de congestionamento, e então as pistas dos Jogos vão impor limitações graves na rede que já é sobrecarregada", disse Delaney à BBC.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Críticos afirmam que 'Pista dos Jogos' deve causar congestionamentos

Outra grande operação que começa nesta segunda-feira são os exames antidoping, a maior operação deste tipo na história das Olimpíadas.

Os responsáveis pelos exames deverão coletar as primeiras 6 mil amostras para testes. Metade dos competidores passarão pelos exames, incluindo cada um dos medalhistas das Olimpíadas e Paraolimpíadas.

Segurança

Os jogos já causaram polêmica no setor de segurança. O governo britânico convocou em caráter emergencial 3,5 mil soldados para fazer a segurança do evento, despertando críticas de que o país não soube se preparar para sediar os Jogos.

O diretor-executivo da empresa privada de segurança G4S, Nick Buckles, foi criticado devido ao fato de a companhia não ter conseguido recrutar o número necessário de segurança para os jogos.

Buckles deve comparecer nesta terça-feira a uma comissão de parlamentares para responder questões a respeito da falta de seguranças para os Jogos. No sábado, em entrevista à BBC, ele afirmou que ficou sabendo desse problema apenas "oito ou nove dias atrás".

O prefeito de Londres, Boris Johnson, afirmou que é importante "passar a mensagem de que estes jogos serão muito seguros".

"Obviamente você nunca pode ser complacente a respeito de segurança, nunca pode tomar nada como certo, e muito trabalho continua sendo feito, particularmente no lado das informações secretas, para garantir que nós possamos antecipar qualquer ameaça, mas Londres será muito, muito segura", disse.

Sebastian Coe, que chefia o comitê organizador dos jogos, afirmou que a segurança para os Jogos Olímpicos não foi comprometida pelo problema de contratação de seguranças da G4S.

Notícias relacionadas