Mãe tenta recuperar guarda de 'Sean britânico'

Adam Jones  | Foto: bringadamhome.org Direito de imagem bringadamhome.org
Image caption Em fotos, menino mostra manchas roxas que mãe diz serem sinais de violência

Uma mulher britânica, que vive no Bahrein, pediu ajuda do governo britânico para recuperar a guarda de seu filho, que está sendo mantido no Catar pela família de seu ex-marido.

Rebecca Jones e o pai do menino, Jamal, se separaram pouco depois do nascimento de Adam, que hoje tem 13 anos.

Jamal faleceu em 2005 e, segundo a mãe, o menino foi seqüestrado pela família do ex-marido durante uma visita de três dias ao Catar, em 2009.

Ela disse à BBC que a tentativa de recuperar a guarda do menino tem sido "uma luta muito grande", por causa da "influência da família no país e o conhecimento que eles têm do sistema de Justiça".

"Eles são uma família bastante conhecida no Catar e trabalham em lugares importantes, então tem sido muito difícil conseguir que nosso caso tenha audiências justas no tribunal", disse Jones.

"Tivemos duas audiências e perdemos as duas, mas não acho que foram justas. Eu não sabia nada sobre as audiências no tribunal até que me enviaram as datas. Naquele momento, Adam estava sendo mantido escondido. Ele foi escondido de mim por oito semanas", afirmou.

Cartas a autoridades

Jones deu início a uma campanha para chamar atenção sobre o caso de Adam em um site e em uma página no Facebook.

"Adam está desesperado para voltar para casa, está infeliz e deprimido. Ele também está confuso, porque essas pessoas são estranhas para ele", disse ela à BBC.

O menino, que está há três anos com a família do pai, já escreveu cartas para o primeiro-ministro britânico, David Cameron, e para o príncipe Charles.

Na carta mais recente a Cameron, enviada em abril desse ano, Adam diz: "Faz um ano que eu escrevi pedindo sua ajuda. Eu fiquei muito feliz quando você me escreveu dizendo que faria o possível para me levar para casa. Todos os dias eu espero que minha mãe venha me buscar. Você se esqueceu de mim?"

De acordo com Rebecca Jones, a família do menino o mantém no país na tentativa de manter o controle sobre o dinheiro e as terras herdadas por ele após a morte do pai.

"Eu vou para o Catar duas vezes por semana, para visitas de quatro horas. Mas ficamos sempre trancados em um quarto, sem poder sair para lugar nenhum."

Em um comunicado, o governo britânico afirmou que já acionou as autoridades do Catar e que está fazendo "o melhor possível" para ajudar Jones.

O caso de Rebecca e Adam é similar ao de Sean Goldman, que nasceu nos Estados Unidos, filho de uma brasileira e um americano.

O menino foi levado ao Brasil sem o consentimento do pai, David Goldman, e, após a morte da mãe, foi alvo de uma batalha judicial entre as famílias.

Em 2009, David Goldman conseguiu na Justiça a guarda definitiva do filho.

Notícias relacionadas