Justiça francesa aprova extradição de professor britânico que fugiu com aluna

Atualizado em  2 de outubro, 2012 - 08:09 (Brasília) 11:09 GMT
Jeremy Forrest

As imagens do professor e da aluna divulgadas pela polícia ajudaram na localização dos dois na França

A Justiça francesa autorizou nesta terça-feira a extradição para a Grã-Bretanha do professor Jeremy Forrest, detido sob acusação de fugir com uma aluna de 15 anos.

Forrest, de 30 anos, e a adolescente Megan Stammers foram presos na sexta-feira em Bordeaux, mais de uma semana após terem deixado a Grã-Bretanha.

Megan retornou no sábado à Grã-Bretanha. Ela havia sido considerada desaparecida pela família no dia 21 de setembro após não comparecer à escola.

Posteriormente, a polícia descobriu, por meio de imagens de circuito interno de uma balsa que faz a travessia do Canal da Mancha, que os dois haviam fugido para a França.

Forrest compareceu, na manhã desta terça-feira, a um tribunal em Bordeaux e concordou com a extradição.

Seus advogados disseram que ele foi bem tratado no centro de detenção em Bordeaux.

Comoção

A fuga do professor e da aluna provocou comoção na Grã-Bretanha e gerou uma megaoperação de buscas envolvendo as polícias britânica, francesa e a Interpol.

Imagens de câmera de circuito interno em balsa para a França

Imagens câmeras em balsa no Canal da Mancha indicou fuga dos dois para a França

Durante as buscas, as famílias dos dois fizeram apelos emocionados para que eles retornassem às suas casas.

Forrest foi detido na companhia de Megan na sexta-feira após uma denúncia anônima à polícia.

Os dois haviam se estabelecido em Bordeaux e estavam percorrendo bares da cidade em busca de emprego.

Questionamentos

O caso levantou questionamentos na mídia britânica sobre o papel da polícia local, que teria sido informada sobre o relacionamento ilegal entre o professor e a aluna uma semana antes da fuga dos dois para a França.

A prefeitura local, que administra a escola onde Forrest lecionava e Megan estudava, também acompanhava o caso, mas não se sabe se alguma medida foi tomada pelas instituições para proteger a adolescente.

Segundo a mídia britânica, o professor, que se casou no ano passado, havia postado um comentário em um blog em maio afirmando enfrentar um "dilema moral".

Esta é a terceira vez em que um integrante do corpo docente da escola Bishop Bell Church of England School, em Eastbourne, é envolvido em um escândalo.

Em fevereiro de 2009, o professor Robert Healy foi preso por sete anos, depois de admitir relações sexuais com duas alunas com idades entre 15 e 16 anos.

No início deste ano, também foi revelado que um padre aposentado fora autorizado a permanecer como diretor da escola por mais de um ano depois de 38 acusações de abuso sexual infantil virem à tona.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.