Conheça o 'hotel necrotério' e outros alojamentos estranhos

Atualizado em  26 de outubro, 2012 - 14:59 (Brasília) 16:59 GMT
O necrotério que vai se transformar em hotel na Austrália (Foto: Getty)

Com seu hotel necrotério, empreendedor Haydyn Pearce quer agradar uma clientela diferente

Um empreendedor australiano pretende adaptar um antigo necrotério da região da Tasmânia e transformar o local em um hotel.

Haydyn Pearce afirma que espera atrair "o (hóspede) diferente" com o hotel no necrotério, que vai readaptar o espaço que servia de abrigo aos mortos de um hospital psiquiátrico próximo.

Para agradar a clientela mais excêntrica, Pearce pretende manter os elementos fundamentais do necrotério e decorar o local com uma série de instrumentos médicos.

O antigo necrotério está fechado há mais de dez anos e faz parte de um complexo de seis edifícios, os quais o empresário está restaurando aos poucos. Pearce espera abrir o hotel no necrotério em 2013.

Uma parte já foi transformada em um pequeno hotel, e o local onde eram abrigadas as pessoas com problemas mentais agora é uma loja de antiguidades - apesar dos boatos de que o lugar seria mal-assombrado.

Para especialistas, a suposta presença de fantasmas pode tornar um hotel até mais "sexy" para esse tipo de cliente.

Para Miles Quesd, porta-voz da Associação de Hospitalidade Britânica, a chave para hotéis diferentes é "encontrar um nicho próprio em um setor dominado pela uniformidade das grandes marcas".

Férias na prisão ou no avião

Em entrevista à BBC Mundo, Miles Quesd citou o exemplo bem-sucedido do hotel britânico Oxford Mal, que aproveitou as instalações de uma antiga prisão, manteve algumas das características do prédio original - como as passarelas entre os blocos e as escadas - e transformou as celas em quartos de luxo.

Antiga prisão britânica transformada em hotel de luxo (Foto: WikiCommons)

Na Grã-Bretanha, uma antiga prisão foi transformada em hotel com quartos de luxo

Experiências parecidas já ocorreram em Boston, nos Estados Unidos, e em Lucerna, na Suíça.

No entanto, em Liepaja, na Letônia, os donos de um hotel foram mais radicais. Ocuparam uma instalação usada pela KGB, a temida polícia secreta soviética, e a transformaram em um hotel nada acolhedor.

Todas as características do antigo centro de detenção e tortura foram mantidas, como as celas escuras e úmidas. Os funcionários falam com os hóspedes aos gritos e a "música ambiente" do hotel são gravações de gritos e disparos de armas.

Existem também os hotéis construídos em aviões, como o Costa Verde, na Costa Rica, que usou um Boeing 727, que parece ter se chocado contra uma árvore.

Outro exemplo é o Jumbo Stay Hotel, nada menos que um hotel em um 747, localizado no aeroporto de Estocolmo, na Suécia, muito prático para quem está de passagem na cidade.

Hóspedes em barris

A lista de hotéis estranhos se estende ao hotel Vrouwe van Stavoren, na Holanda, onde os hóspedes podem ficar em barris de vinho gigantes, e ao Jukkasjärvi, na Suécia, que é feito de gelo. Quando o hotel derrete, precisa ser reconstruído por uma equipe de arquitetos.

Os hotéis excêntricos também prosperam nos Estados Unidos, como é o caso do hotel submarino no Estado da Flórida.

E o Dog Bark Park, de Idaho, é uma estrutura de madeira em forma de cachorro gigante, que pode abrigar até quatro hóspedes.

"Os hotéis sempre estão tentando oferecer algo novo ou diferente", afirma Miles Quesd. "Se você é um empresário independente e quer ter um impacto no mercado, precisa ser diferente das grandes redes (de hotéis). Eles vão sobreviver porque são diferentes", acrescentou.

Dormindo no tubo

Tubohotel do México (Foto: Caters)

O Tubohotel do México reaproveitou tubulações de concreto

O setor de hotelaria não ficou indiferente à questão da reciclagem: pelo menos dois hotéis em países diferentes reaproveitaram grandes tubulações de concreto, geralmente usadas para escoamento de água e esgoto.

Um deles é o Das Park Hotel, da Áustria, que transformou os tubos em quartos com decoração aconchegante e promete em seu site "o máximo de conforto em um mínimo de espaço".

A mesma ideia foi usada no México para construir o Tubohotel, em Tepozltan. São 20 quartos feitos também com tubulações de concreto e diárias que custam de R$ 65 a R$ 113.

Cada tubo tem as instalações básicas: uma cama, luz, ventilador e espaço para guardar as malas dos hóspedes. Os banheiros ficam em um local separado, perto dos quartos.

Robb Anderson, do Tubohotel, afirmou que a ideia de transformar as tubulações em quartos surgiu por acaso.

"Os tubos estavam jogados, sem uso. Então, um dia, perguntamos (aos donos) se poderíamos usá-los e decidimos fazer um hotel."

Anderson explicou que os tubos/quartos têm cerca de 3 metros de comprimento e 2,1 metros de diâmetro. E o que começou como um lugar voltado para viajantes mais experientes e mochileiros agora atrai todo tipo de hóspedes.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.