Primeira senadora abertamente gay é eleita sem levantar bandeira do movimento

Atualizado em  7 de novembro, 2012 - 10:27 (Brasília) 12:27 GMT
Tammy Baldwin (Foto AP)

Tammy Baldwin venceu o ex-governador Tommy Thompson

A democrata Tammy Baldwin tornou-se na terça-feira a primeira senadora americana abertamente gay, embora as bandeiras do movimento GLBT (Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros) não tenham sido temas centrais nem em sua campanha, nem no discurso de agradecimento feito após o anúncio da vitória.

"Estou ciente de que serei a primeira integrante do Senado americano abertamente gay, mas não concorri nessas eleições para fazer história e sim para fazer a diferença", explicou Baldwin, prometendo lutar por toda a classe média de seu estado, Wisconsin.

"Quero fazer a diferença na vida de famílias que estão lutando para conseguir trabalho e pagar as contas, na vida de estudantes preocupados com suas dívidas, idosos preocupados com suas aposentarias e veteranos (das Forças Armadas) que lutaram por nós e agora precisam de alguém para lutar por eles e por suas famílias."

Baldwin, de 50 anos, derrotou o ex-governador de Wisconsin Tommy Thompson e assumirá a cadeira do senador democrata Herb Kohl, que se aposentou após quatro mandatos.

Trajetória

A democrata manteve uma relação de 15 anos com a advogada Lauren Azar, de quem se divorciou em 2010.

Em 1998, ela tornou-se a primeira candidata abertamente gay a ser eleita para a Câmara dos Deputados (embora outros deputados já tivessem se declarado homossexuais depois de assumir o cargo). E nos anos seguintes, foi reeleita sete vezes (nos EUA há eleições para deputados a cada dois anos).

A vitória de Baldwin foi celebrada pelos movimentos de defesa dos direitos homossexuais nos EUA como um passo importante para ampliar a diversidade da composição do Senado e ajudar na defesa de suas bandeiras na Casa.

A senadora eleita de fato sempre defendeu causas do movimento, como a legalização do casamento gay e o repúdio à chamada política do 'não pergunte, não conte' nas Forças Armadas dos EUA, mas esses temas não chegaram a ser centrais em sua campanha pelo Senado.

Badlwin ganhou o eleitorado prometendo lutar contra o desemprego com estímulos a investimentos em infraestrutura, educação e pesquisa. Ela também prometeu ajudar a levar adiante as reformas no sistema de saúde americano iniciadas na gestão Barack Obama e procurou caracterizar seu opositor como o "candidato dos ricos".

Controle do Senado

Todd Akin (Foto AP)

Todd Akin perdeu a disputa pelo Senado após fazer declarações polêmicas sobre estupro

Os democratas mantiveram o controle do Senado dos EUA nas eleições de terça-feira, com vitórias em disputas apertadas em Massachusetts, Indiana e Virgínia. Mas os republicanos também conseguiram manter sua maioria na Câmara dos Deputados.

No Senado, a vitória democrata foi facilitada pela derrotada de dois republicanos que fizeram comentários controversos sobre "estupro" e "aborto".

Um deles foi Richard Mourdock, candidato por Indiana, que defendeu em um debate que uma gravidez após um estupro seria "algo que Deus queria que acontecesse".

Candidato do movimento ultraconservador Tea Party, ele perdeu a disputa por uma vaga no Senado para o democrata Joe Donnelly, apesar de ter começado a disputa como favorito.

Outro republicano derrotado após fazer declarações polêmicas nessas áreas foi o deputado e candidato ao Senado por Missouri Todd Akin, que disse, em uma entrevista, que os corpos das mulheres são naturalmente capazes de evitar gravidez caso elas sejam vítimas de um "legítimo estupro".

Polêmica

O deputado foi questionado se acreditava que o aborto deveria ser proibido mesmo quando a gravidez fosse resultado de um estupro.

"Parece-me, pelo que entendi dos médicos, que isso é muito raro. No caso de um 'legítimo estupro', o corpo feminino tem maneiras de bloquear essa coisa toda", disse Akin, membro da comissão de Ciência da Câmara dos deputados.

"Mas vamos supor que, talvez, esse mecanismo não funcione... Acho que deveria haver uma punição - mas é o estuprador quem deveria ser punido, não a criança."

Até o momento da entrevista, Missouri era considerado um dos estados em que os democratas mais teriam dificuldade para vencer.

Com a polêmica, a democrata Claire McCaskill não teve muita dificuldade em ganhar a disputa com Akin. Os próprios republicanos criticaram o deputado e doadores resolveram suspender o financiamento à sua campanha.

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.