Rio tem mais de um século de polêmicas e demolições

Atualizado em  7 de fevereiro, 2013 - 08:58 (Brasília) 10:58 GMT

Rio, ontem e hoje

  • Foto: Augusto Malta (s/d)/Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro
    A BBC Brasil consultou arquitetos, historiadores e especialistas para um levantamento a respeito de prédios históricos demolidos no Rio durante o século 20. O Palácio Monroe, construído em 1904 para a exposição de St. Louis, nos EUA, é um dos marcos deste processo. (Foto: Augusto Malta /Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro)
  • Foto: Caio Quero/ BBC Brasil
    Desmontado e reconstruído no Brasil em 1906, o Palácio Monroe chegou a abrigar o Senado e a Câmara Federal. Setenta anos depois, no entanto, o prédio acabou por ser demolido, em circunstâncias ainda não muito claras. Em seu lugar está a Praça Mahatma Gandhi. (Foto: Caio Quero/ BBC Brasil)
  • Foto: Augusto Malta (1907)/Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro
    Construído em 1750, o Convento da Ajuda foi projetado pelo brigadeiro José Fernandes Alpoim. De acordo com o livro Memória da Destruição, publicado pela Prefeitura do Rio em 2002, o prédio foi demolido em 1911 para a construção de um hotel, o que acabou nunca acontecendo. (Foto: Augusto Malta, 1907/Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro)
  • Foto: Caio Quero/ BBC Brasil
    A região onde ficava o convento passou a ser um polo de cinemas e teatros nos anos 1920, dando origem à Cinelândia. A única lembrança do prédio é o Chafariz das Saracuras, que ficava no pátio interno do imóvel e agora está na Praça General Osório, em Ipanema. (Foto: Caio Quero/ BBC Brasil)
  • Foto: Provável Augusto Malta (s/d)/Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro
    A avenida Central, atual Rio Branco, foi construída durante o governo de Pereira Passos como parte de um projeto para dar um ar parisiense ao Rio de Janeiro. Entre os prédios marcantes da região estava o Hotel Avenida, inaugurado em 1911. (Foto: Provável Augusto Malta/Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro)
  • Foto: Caio Quero/ BBC Brasil
    Ponto de encontro da sociedade da época, o hotel abrigava em seu térreo lojas e restaurantes. De lá também saía uma linha de bondes que ligava a região ao Jardim Botânico. O hotel acabou por ser demolido nos anos 1960 e em seu lugar foi construído o edifício Avenida Central (na foto). (Foto: Caio Quero/ BBC Brasil)
  • Foto: Provavelmente Augusto Malta (1907)/ Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro
    Inaugurado em 1907, o Mercado Municipal da Praça XV era formado por diversos pavilhões e cinco torres, uma em cada ponta do quadrilátero e outra ao centro. Além de um importante entreposto comercial, o mercado era um dos poucos representantes da arquitetura em ferro no Brasil. (Foto: Provavelmente Augusto Malta, 1907/ Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro)
  • Foto: Caio Quero/ BBC Brasil
    O mercado acabou por ser demolido na década de 1960 para a construção do Elevado da Perimetral, cuja demolição deve começar nos próximos meses. Os comerciantes foram transferidos para o bairro de Benfica, na zona norte. A única lembrança do mercado hoje é a torre onde hoje fica o restaurante Albamar. (Foto: Caio Quero/ BBC Brasil)
  • Foto: Provavelmente Augusto Malta (1922)/ Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro
    Por motivos de segurança, após a vitória contra os invasores franceses, Mem de Sá decidiu transferir a cidade do Rio da região onde hoje fica o bairro da Urca para o Morro do Castelo. Em 1920, no entanto, teve início o arrasamento do morro, para o qual foram usados inclusive jatos d´água. (Foto: Provavelmente Augusto Malta, 1922/ Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro)
  • Foto: Caio Quero/ BBC Brasil
    Com o arrasamento do Morro do Castelo também perderam-se prédios de grande importância histórica, como igrejas e o Colégio dos Jesuítas. A única parte remanescente do morro é a Ladeira da Misericórdia, que ainda guarda o calçamento original. (Foto: Caio Quero/ BBC Brasil)
  • Foto: Marc Ferrez (s/d)/ Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro
    A abertura da avenida Presidente Vargas, nos anos 1940, foi marcada por demolições polêmicas. A mais emblemática talvez tenha sido a da Igreja de São Pedro dos Clérigos, exemplar da arquitetura barroca construída em 1733. (Foto: Marc Ferrez / Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro)
  • Foto: Caio Quero/ BBC Brasil
    Tombada pelo patrimônio histórico, a demolição da Igreja de São Pedro dos Clérigos só foi possível após a aprovação de um decreto que dava ao presidente da República a autoridade para “destombar” imóveis anteriormente protegidos. (Foto: Caio Quero/BBC Brasil)
  •  Foto: Augusto Malta (s/d)/ Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro
    Importante ligação entre a zona norte e o centro do Rio de Janeiro, abertura da avenida presidente Vargas também acabou por destruir a praça Onze de Junho, antigo Largo do Rossio Pequeno, um dos berços do samba e da boemia do Rio de Janeiro. (Foto: Augusto Malta / Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro)
  • Foto: Caio Quero/ BBC Brasil
    Apesar de ter sido completamente demolida nos anos 1940, a praça Onze continua no imaginário do carioca e abriga uma estação do metrô. A ligação com o samba e a boemia continua, com a proximidade do sambódromo. (Foto: Caio Quero/BBC Brasil)
  • Foto: Augusto Malta (1907) / Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro
    Inspirado pela arquitetura islâmica, o Pavilhão Mourisco foi projetado por Alfredo Burnier para abrigar um restaurante e café. Na década de 1930, foi fundada ali a primeira biblioteca infantil brasileira, comandada por Cecília Meirelles. (Foto: Augusto Malta, 1907 / Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro)
  • Foto: Caio Quero/ BBC Brasil
    O suntuoso Pavilhão Mourisco foi demolido em 1952 para a construção do Túnel do Pasmado, que liga os bairros de Botafogo e Copacabana. No terreno onde ficava o prédio foi construído o ginásio polivalente do Botafogo de Futebol e Regatas que por sua vez foi demolido para dar lugar ao Centro Empresarial Mourisco, no final dos anos 1990. (Foto: Caio Quero/ BBC Brasil)
  • Foto: Augusto Malta (1928)/ Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro
    As origens do teatro João Caetano remontam a 1810, quando o Real Theatro São João foi inaugurado por Dom João VI. Desde então ele recebeu vários nomes, como Teatro São Pedro e Constitucional e passou por diversos incêndios e reformas. (Foto: Augusto Malta, 1928/ Acervo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro)
  • Foto: Caio Quero/ BBC Brasil
    O Teatro João Caetano foi assim batizado na década de 1920. Em 1930 foi fechado para uma grande reforma. Outras obras foram realizadas nos anos 1970 e 1990. Uma última remodelação foi feita em 2008, o que deixou a casa de espetáculos com as feições atuais. (Foto: Caio Quero/ BBC Brasil)
  • Foto: Caio Quero/ BBC Brasil
    Fundado por Dom João VI, o prédio da Academia Imperial de Belas Artes foi projetado pelo arquiteto Grandjean de Montigny, membro da missão francesa convidada para vir ao Brasil. A única lembrança do prédio é o seu portal, que foi transferido para o Jardim Botânico. (Foto: Caio Quero/ BBC Brasil)
  • Foto: Caio Quero/ BBC Brasil
    O prédio da Academia Imperial de Belas Artes foi demolido em 1938. Em seu lugar atualmente há um estacionamento de carros, entre a travessa das Belas Artes e a avenida Passos, no centro do Rio de Janeiro. (Foto: Caio Quero/BBC Brasil)

Sede do Império, antiga capital da República e desde o ano passado reconhecida como Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco, a cidade do Rio de Janeiro, com seus prédios e instituições históricas, é há mais de cem anos palco de um embate entre preservacionistas e aqueles que defendem demolições e intervenções para a modernização e expansão da metrópole.

O mais novo foco desta batalha está nas imediações do estádio do Maracanã, na zona norte do Rio, que vem sendo reformado como parte dos preparativos para a Copa das Confederações e a Copa do Mundo de 2014.

Depois de uma batalha que se estendeu por meses, o governo do Estado anunciou no final de janeiro que não irá mais derrubar um dos principais alvos da disputa: o prédio do antigo Museu do Índio, construído em 1862 e que fica no entorno do estádio. Apesar da decisão pelo tombamento e restauro do imóvel, o destino das famílias indígenas que ocupam o local desde 2006 ainda é incerto. Enquanto o poder público promete desocupar a área, os membros da chamada Aldeia Maracanã pretendem permanecer no local.

Mas a polêmica não se restringe ao antigo museu. De acordo com os planos de reforma do estádio, também devem ir ao chão a Escola Municipal Friedenreich, o Estádio de Atletismo Célio de Barros e o Parque Aquático Julio Delamare, todos vizinhos ao Complexo do Maracanã.

Enquanto movimentos sociais e atletas vêm protestando contra a derrubada dos prédios, defendendo seu valor histórico e cultural, o governo do Estado afirma que as demolições são necessárias para a modernização do estádio e ampliação de áreas externas e de estacionamento.

Patrimônio

O Rio tem hoje 1,2 mil bens tombados e protegidos por lei, entre imóveis históricos, paisagens naturais e instituições imateriais. Mas nem sempre foi assim: no processo de urbanização da cidade, casas coloniais, igrejas barrocas e palácios da época do Império foram demolidos para dar lugar a ruas, avenidas, praças e até estacionamentos.

"Em um país jovem, em um país com uma população crescendo, é natural que haja uma predisposição ao novo, à mudança", diz o arquiteto e doutor em História da Arte Cyro Correa Lyra, que há três décadas atua no Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

"Agora, tem que haver e está havendo cada vez mais uma consciência das pessoas de que, ao se demolir edificações antigas, nem sempre se ganha. Pelo contrário, geralmente se perde", afirma Lyra.

Bota-Abaixo

Muito antes das polêmicas atuais, no início do século 20, o desejo de transformar o Rio em uma espécie de "Paris dos Trópicos" fez com que o então prefeito Francisco Pereira Passos colocasse em prática o que ficou conhecido como "Bota-Abaixo", ou a demolição em massa de prédios e casas para modernizar a então capital da República.

Neste período, cerca de 1,7 mil imóveis foram desocupados e derrubados para a construção da avenida Central (atual avenida Rio Branco), inaugurada em 1905, e a avenida Beira Mar, aberta no ano seguinte. "A inauguração da avenida Central causou a destruição de todo um casario da época da Colônia e do Império", diz a historiadora Sandra Horta, gerente de Pesquisa do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro.

No lugar do casario colonial, surgiram os edifícios ecléticos da Belle Époque, dos quais o Teatro Municipal, a Biblioteca Nacional e o Museu de Belas Artes são alguns dos poucos remanescentes. Apesar da beleza e suntuosidade destes prédios, boa parte também acabou demolida, principalmente a partir da segunda metade do século 20.

"A avenida Rio Branco foi concebida para ser o grande cartão postal do centro do Rio de Janeiro. Todas as fachadas deveriam passar por um concurso, cada empreendedor buscou criar seu prédio mais bonito que o outro. Ela se tornou esse espaço meio europeu, meio parisiense", explica Roberto Anderson Magalhães, urbanista e arquiteto do Instituto Estadual do Patrimônio Cultural do Estado do Rio de Janeiro (Inepac).

"(Mas) essa concepção foi alterada pela permissividade da legislação, que permitiu que aquilo fosse derrubado e fossem construídos novos prédios. Hoje o que restou foram só pequenas lembranças do que ela foi", diz Magalhães.

Morro do Castelo

Uma das mais dramáticas intervenções urbanas no Rio, no entanto, foi o arrasamento do Morro do Castelo. Localizado em uma região que atualmente vai da Cinelândia ao Museu Histórico Nacional, a elevação foi o berço do Rio de Janeiro, ocupada em 1567 pelos portugueses comandados por Mem de Sá como parte de uma estratégia para proteger a recém-fundada cidade.

Após a demolição de uma pequena parte do morro para a construção da avenida Rio Branco, no início do século 20, o Morro do Castelo começou a desaparecer completamente da paisagem carioca a partir de 1920.

"O pretexto era de que era preciso arejar o centro, era preciso fazer com que o ar puro chegasse, mas se perdeu muita coisa. Ali havia a antiga fortaleza , a igreja e o Colégio dos Jesuítas, o seminário de São José, a cadeia, o calabouço, o Observatório...", diz a historiadora Sandra Horta.

O único remanescente do morro é o sopé da Ladeira da Misericórdia, primeira via pública da cidade e que ainda guarda o calçamento original de pé de moleque.

"Foi um crime, equivale a você chegar hoje e dizer ‘vamos tirar Veneza do mapa porque eu preciso de espaço’. É como arrancar Ouro Preto, Parati, Olinda, qualquer cidade histórica, do mapa", opina Cau Barata, pesquisador especializado na História do Rio.

Praça Gandhi, no Rio de Janeiro. BBC

Uma praça ocupa o lugar onde ficava o emblemático Palácio Monroe, antiga sede do Senado

Vargas e o 'destombamento'

Outro embate marcante sobre o destino de prédios históricos no Rio se deu durante a abertura da avenida Presidente Vargas, durante a década de 1940.

A construção da via de ligação entre a zona norte e o centro do Rio foi autorizada diretamente por Getúlio Vargas e prédios e locais importantes como igrejas do século 18, o Paço Municipal e a Praça Onze de Junho, um dos berços do samba e da boemia carioca, desapareceram durante as obras, finalizadas em 1944.

Um dos casos mais emblemáticos da abertura da Presidente Vargas foi a demolição da Igreja de São Pedro dos Clérigos. Construída em 1733 em estilo barroco, ela havia sido tombada pelo Iphan. Para a construção da via, no entanto, foi aprovado um decreto que dava ao presidente da República o poder de "destombar" um bem, o que acabou abriu caminho para que o templo fosse demolido.

Monroe

Mas talvez a ausência que mais incomode os cariocas até hoje seja a do Palácio Monroe, localizado onde atualmente fica a Praça Mahatma Gandhi, próximo à Cinelândia.

O suntuoso prédio que chegou a ser sede da Câmara e do Senado Federal foi construído em 1904 para abrigar o pavilhão brasileiro durante a exposição de Saint Louis, nos EUA. Desmontado, ele foi transportado e remontado no Rio, onde virou marco na paisagem.

Em 1976, no entanto, após uma grande polêmica sobre seu destino, o Palácio Monroe acabou vindo abaixo, sob circunstâncias ainda não muito claras. "A desculpa era de que era preciso tirá-lo porque o metrô iria passar por ali. Mas é uma desculpa da época, o metrô não passa onde ele estava. Não se sabe direito qual foi a razão (da demolição), mas pode ser aquele caso de prefeito ou de governador mimado", brinca Cau Barata.

Você tem fotos de prédios históricos ou de outros marcos do patrimônio do Rio que foram derrubados? Mande para a BBC Brasil, preenchendo o formulário abaixo.

* Indica preenchimento obrigatório.

  • Especificações das imagens:
  • Tamanho máximo do arquivo: 200MB
  • Formato do arquivo: jpg, gif, png
  • Especificações do áudio/vídeo:
  • Tamanho máximo do arquivo: 200MB
  • Formato do arquivo: avi, mov, wmv, mp4, mpg, flv, 3gp, wav, mp3, wma

Acrescentar arquivo

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.