Asteroide passa de raspão pela Terra

Atualizado em  15 de fevereiro, 2013 - 12:46 (Brasília) 14:46 GMT
Foto: AP

Asteroide irá percorrer uma trajetória próxima da Terra pelos próximos 30 anos

Um asteroide com um diâmetro aproximado de 45 metros – equivalente ao volume de uma piscina olímpica – passou nesta sexta-feira a cerca de 28 mil km da Terra. Essa é a menor distância já registrada no monitoramento de corpos celestes com esse tamanho.

Identificado como 2012 DA14, ele passou a uma distância da Terra inferior à de satélites geoestacionários, mas não houve risco de colisão.

O ponto mais próximo da superfície terrestre de sua trajetória foi registrado às 19h25 GMT (17h25 no horário de Brasília)

A passagem do asteroide foi precedida por uma chuva de meteoritos na Rússia, causada pela entrada de um meteoro na atmosfera terrestre. No entanto, cientistas acreditam que os dois eventos não têm relação.

Alan Fitzsimmons, perquisador da Universidade Queens em Belfast, na Irlanda do Norte, disse à BBC News que a ocorrência de ambos no mesmo dia é somente "uma coincidência cósmica".

Oportunidade única

O asteroide orbita o Sol em 368 dias - um período semelhante ao do ano terrestre - mas não o faz no mesmo plano que a Terra.

Ele passou perto da Terra, a 7,8 km/s, sobrevoando o hemisfério sul do planeta e seguindo em direção noroeste.

O corpo celeste passou diretamente sobre o Oceano Índico. Foi possível vê-lo da Europa Oriental, da Ásia e da Austrália.

Muitos observadores assistiram à passagem do asteróide ao vivo pela internet, em transmissões como a do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa (Assista Clique aqui).

O 2012 DA14 foi visto pela primeira vez em fevereiro de 2010 por astrônomos do Observatório Astronômico de La Sagra na Espanha - cuja principal atividade é a descoberta e localização de pequenos corpos celestes (asteroides e cometas).

Eles avistaram o asteroide após sua passagem anterior, a uma distância muito maior.

Por meio de suas observações, eles conseguiram calcular as trajetórias passadas e futuras do asteroide e prever a passagem desta sexta-feira, que será a mais próxima da Terra por pelo menos 30 anos.

O professor Fitzsimmons disse que é uma oportunidade científica única. "Quando os asteroides passam assim tão perto, é muito importante tentar aprender sobre eles", diz.

"Conseguimos mais conhecimento sobre esses pequenos objetos, que tem mais probabilidade de impacto com a Terra."

Leia mais sobre esse assunto

Tópicos relacionados

BBC © 2014 A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo de sites externos.

Esta página é melhor visualizada em um navegador atualizado e que permita o uso de linguagens de estilo (CSS). Com seu navegador atual, embora você seja capaz de ver o conteúdo da página, não poderá enxergar todos os recursos que ela apresenta. Sugerimos que você instale um navegados mais atualizado, compatível com a tecnologia.