Turista salta de sacada para escapar de 'avanços' de dono de hotel na Índia

Image caption A prisão de Tihar, onde acusados estão, é a prisão de mais alta segurança da Índia

Uma turista britânica se feriu após saltar da sacada de um hotel em Agra, na Índia, para escapar dos supostos avanços sexuais do dono do estabelecimento onde estava hospedada, segundo a polícia local.

A mulher, com idade por volta de 30 anos, disse à polícia que pediu para ser acordada de madrugada (às 4h da manhã), no entanto, ao bater na porta do quarto da turista, o dono do hotel teria oferecido à britânica uma massagem.

Ela disse à polícia que o proprietário do estabelecimento se recusou a deixar o quarto e que ela decidiu saltar da sacada e fugir do local, após cair no andar de baixo, no térreo, machucando a perna.

A polícia prendeu o suspeito.

O ministério do Exterior britânico disse estar avaliando o caso com urgência.

O superintendente da polícia em Agra, Subhah Chandra Dubey, disse à BBC que a vítima já recebeu cuidados médicos e foi transferida para outro hotel. Duas policiais também cuidam agora de sua segurança durante sua estada na Índia.

O dono hotel alega que foi até o quarto da hóspede após ela não ter atendido às chamadas feitas por um interfone.

O ministério do Exterior britânico já havia, recentemente, atualizado sua orientação para mulheres em viagens à Índia, para que adotassem cautela e evitassem viajar sozinhas no transporte público do país ou em táxis, principalmente à noite.

O caso ocorre dias após o estupro coletivo de uma turista suíça no Estado de Madhya Pradesh. A polícia prendeu seis suspeitos acusados de terem atacado a mulher na presença do marido nas redondezas do Taj Mahal.

É o segundo caso notório de estupro coletivo no país nos últimos meses. O primeiro caso a chamar a atenção da imprensa internacional e também da sociedade indiana ocorreu no fim do ano passado, quando uma estudante universitária foi estuprada brutalmente em um ônibus. A estudante morreu em consequência dos graves ferimentos que sofreu.

Na semana passada, um dos suspeitos pelo estupro de dezembro em Nova Déli foi encontrado morto na prisão. A polícia afirmou que Ram Singh havia se enforcado, mas sua família suspeita que ele tenha sido assassinado.

O Parlamento indiano se prepara para votar uma nova lei contra estupradores. A lei poderá prever punições mais severas, incluindo a pena de morte.

A polícia indiana vem sendo criticada por não investigar com seriedade os casos de estupro, apesar das manifestações pedindo mais segurança para as mulheres nos últimos meses.

As autoridades também são acusadas de usar táticas violentas para conseguir confissões dos crimes.

Notícias relacionadas