Dilma diz que fala foi manipulada e combate à inflação é valor do governo

Dilma Rousseff / Reuters
Image caption Presidente disse que já deixou claro que o combate à inflação é um 'valor' de seu governo

A presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira que o combate à inflação é um valor em seu governo e que seus comentários sobre o assunto em Durban, na África do Sul, foram interpretados de maneira equivocada.

"Eu sou uma pessoa que já escreveu, e vocês já publicaram, que o combate à inflação é um valor em si. A notícia foi manipulada", disse a presidente em declaração a jornalistas na cidade sul-africana.

A posição da presidente foi reforçada em nota divulgada pelo Blog do Planalto (blog.planalto.gov.br): "Foi uma manipulação inadmissível de minha fala. O combate à inflação é um valor em si mesmo e permanente do meu governo", afirmou.

A declaração inicial, publicada pela BBC Brasil e por diversos veículos de imprensa, entre eles a Agência Brasil, era de que a presidente não apoia políticas de controle inflacionário que sacrifiquem o crescimento.

"Eu não concordo com políticas de combate à inflação que 'olhem' a questão do crescimento econômico, até porque temos uma contraprova dada pela realidade: tivemos um baixo crescimento no ano passado e um aumento da inflação, porque houve um choque de oferta devido à crise e fatores externos", havia dito a presidente em entrevista a jornalistas que cobrem a cúpula dos Brics, na África do Sul.

Segundo o Planalto, Dilma fez as novas declarações depois de tomar conhecimento de que agentes do mercado financeiro estavam interpretando erroneamente seus comentários como expressão de leniência em relação à inflação.

Após as declarações de Dilma, as taxas de juros futuros negociadas na BM&FBovespa fecharam em queda.

A presidente também solicitou ao presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, que desse esclarecimentos sobre o assunto.

Encruzilhada

As declarações da presidente foram feitas um dia antes da divulgação de um relatório trimestral do Banco Central que fala sobre as perspectivas para a inflação no ano.

O governo Dilma está vivendo hoje uma encruzilhada financeira. Por um lado, precisa adotar medidas para retomar o crescimento do país, que no ano passado foi de apenas 0,9%. Do outro, tem de manter a inflação sobre controle.

Para alguns economistas, a adoção de políticas fiscais e monetárias expansionistas por parte do governo, especialmente após a crise financeira de 2008, ajudaram a turbinar a inflação.

Entre as medidas, estão, por exemplo, a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para automóveis e da taxa básica de juros, a Selic, como forma de estimular o consumo e impulsionar a retomada do crescimento.

Dilma, porém, rebateu a crítica de que um menor crescimento amortizaria a escalada inflacionária.

"Esse receituário que quer matar o doente antes de curar a doença é complicado. Eu vou acabar com o crescimento do país? Isso daí está datado. É uma política superada."

Atualmente, a expectativa das instituições financeiras é que a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fique por volta de 5,71% este ano, longe do centro da meta inflacionária estabelecida pelo BC, de 4,5%.

Pressão

Dilma falou sobre a política inflacionária do país em um momento em que o governo é pressionado pelos mercados para adotar políticas mais firmes em relação à inflação - possivelmente com uma alta dos juros.

Na última segunda-feira, a projeção para a Selic do fim do ano subiu pela terceira semana seguida, de 8,25% para 8,5%.

Atualmente, a taxa básica de juros está a 7,25% ao ano.

Por outro lado, Dilma garantiu que o governo está "atento" e que acompanha a inflação com cuidado, mas disse não acreditar que a alta de preços esteja descontrolada.

"Não achamos que a inflação está fora do controle. Pelo contrário, achamos que ela está controlada e o que há são alterações e flutuações conjunturais", defendeu a presidente.

Para ela, tais "flutuações" hoje estariam ligadas ao aumento dos preços das commodities. "Não tem nada que nós possamos fazer internamente, a não ser expandir a nossa produção, para conter o aumento dos preços das commodities derivado da quebra de safra nos Estados Unidos."

Economistas, no entanto, discordam dessa visão e apontam que a existência de gargalos estruturais na economia brasileira acaba favorecendo a subida dos preços.

Segundo Dilma, o governo está tomando uma série de medidas para conter a alta de preços no médio e longo prazo. Uma delas seria o aumento do investimento em educação e qualificação profissional dos trabalhadores.

"O que vai baixar o custo do trabalho vai ser, primeiro, o aumento da produtividade através da ampliação da capacitação, e nós estamos fazendo junto com o setor privado um grande programa de formação profissional", disse Dilma.

Como uma segunda medida anti-inflação, a presidente mencionou a desoneração da folha de pagamentos, que também diminuiria a pressão sobre os custos de trabalho.

"A desoneração começou com poucos setores. Agora, todos querem aderir - ou a grande maioria dos setores", disse Dilma. "Temos 42 (setores desonerados), vamos para 44 e já previmos desoneração para 2015."

Notícias relacionadas