Reaparecimento após uma década é fato raro nos EUA

Cartaz de boas-vindas a Gina DeJesus
Image caption Cartaz de boas-vindas a Gina DeJesus; nem todas as histórias têm final feliz como a dela

É raro que pessoas desaparecidas há uma década sejam encontradas. Na maioria dos casos, o desaparecimento não é solucionado por anos e o desfecho é triste.

Lizabeth Wilson, de 13 anos, voltava para casa em Prairie Village, Kansas (EUA), com seu irmão John, 11, numa noite de julho de 1974. Ela nunca mais foi vista.

Seu desaparecimento chocou sua comunidade.

Quando conheci seu irmão, em uma escola de Prairie Village, Lizabeth estava desaparecida havia mais de dois anos.

John e eu costumávamos ouvir música juntos e beber em festas. Assim como sua irmã, ele era loiro e tinha sardas.

Como muitos outros estudantes da escola, eu pensava em sua irmã e imaginava o que teria lhe acontecido.

Em 1990, visitei o local onde seu crânio foi encontrado. Era uma área desolada e quieta perto de uma fazenda em Lenexa, Kansas.

Um policial me disse na época que as autoridades tinham um suspeito do crime, mas não tinham provas suficientes. "Estamos de olho nele", agregou o policial.

Em 2003, o ex-faxineiro John Horton, de 56 anos, foi detido. Ele cumpre prisão perpétua pela morte de Lizabeth.

'Pesadelo acabou'

Felizmente, o final da história foi mais feliz para Amanda Berry, Gina DeJesus e Michelle Knight, que foram encontradas na última segunda-feira em Cleveland após mais de uma década desaparecidas.

Knight, que tinha 19 ou 20 anos à época do crime, desaparecera em 2002. Berry, aos 16 anos, em 2003. E DeJesus sumiu no ano seguinte. Ela tinha 14 anos.

Ariel Castro, um motorista de ônibus escolar, e seus dois irmãos foram detidos.

Image caption Garotas ficaram mais de uma década desaparecidas

"O pesadelo (das três mulheres) acabou", disse o agente do FBI Stephen Anthony. Agora, resta saber como esse pesadelo pôde acontecer - a polícia investiga como as mulheres podem ter sido escondidas durante tanto tempo.

Um parente de Knight disse à imprensa de Cleveland que a família pensava que ela tivesse fugido. Por isso, a polícia não foi a fundo no caso.

'Pessoas querem desaparecer'

Raymond Batvinis, um ex-agente do FBI, diz que é muito cedo para determinar o que aconteceu em Cleveland ou apontar dedos para possíveis culpados. E ele diz entender de onde vem a crença inicial de que o desaparecimento de Knight poderia ser apenas uma fuga.

"Para ser sincero com você, as pessoas desaparecem o tempo todo", diz ele. "Com frequência, elas desaparecem porque querem desaparecer."

Com crianças, porém, a situação é outra. A maioria dos raptos são feitos por parentes - por exemplo, durante brigas pela guarda - e costumam ser resolvidos.

No caso de sumiço de menores sem o envolvimento de parentes, a polícia sabe que precisa agir rápido.

"A motivação principal é sexo", relata Harry Trombitas, ex-agente do FBI. "O agressor rapta uma criança, pratica sexo e sente que precisa se livrar dela, para se distanciar do caso."

Nos EUA, diz ele, a maioria dos casos do tipo são solucionados, e as crianças voltam a suas casas.

Mas a polícia precisa buscar pistas nas primeiras três horas desde o aparecimento para aumentar a chance de encontrar a criança viva, porque muitos desses casos não acabam bem.

Trombitas lembra de quando foi à casa de um menino de 12 anos que havia sido sequestrado no Estado de Nebraska, em 1982.

Image caption Em alguns casos de desaparecimento, é crucial buscar pistas nas primeiras três horas

"Cada vez que o telefone tocava, a mãe dele tremia", diz. Três dias depois, a criança foi encontrada morta, a facadas.

Espera

Em alguns casos, a espera pela pessoa desaparecida nunca termina.

Em 2007, Ashley Summers, de 14 anos, desapareceu na mesma região que Berry, DeJesus e Knight foram sequestradas. Até hoje, ela não foi encontrada.

Investigadores dizem que, em casos não resolvidos, avanços costumam depender de pistas fornecidas pela imprensa e pelas pessoas da comunidade.

Sarah Jakiel, vice-diretora do Projeto Polaris, que combate tráfico humano, sugere que fiquemos atentos a sinais de uma pessoa eventualmente estar sendo presa contra sua vontade.

Se uma pessoa entra e sai de uma casa em horários incomuns, se a casa tem janelas cobertas e câmeras de segurança, vizinhos devem prestar atenção e, se for o caso, avisar as autoridades.

"Siga seus instintos", diz Jakiel.

Vizinhos podem ser cruciais para o esclarecimento de um caso - tanto que foi um vizinho quem ajudou Berry a escapar da casa de seu raptor.

Ainda assim, são poucos os casos de desaparecimento em que a pessoa é encontrada sã e salva anos depois.

John Wilson cresceu sem saber o que aconteceu com sua irmã em Prairie Village.

Espera-se que a família de Ashley Summers receba notícias dela em breve - e que sejam boas notícias.

Notícias relacionadas