Sírios fogem de massacres na região costeira

Jovens procuram abrigo durante ataque a Raqqa, no leste da Síria (foto: Reuters)
Image caption Deslocados de Baniya temtam buscar refúgio na cidade de Tartus, mas são impedidos

Centenas de sírios estão fugindo das áreas costeiras do país, onde ativistas ligados à oposição acusam forças do governo de promover massacres em uma suposta campanha de "limpeza sectária".

A matança mais recente teria ocorrido na região de Baniyas. Imagens de corpos mutilados e queimados, supostamente captadas no local, foram publicadas na internet.

Ativistas disseram que ao menos 77 pessoas (20 delas da mesma família) foram mortas na cidade de Ras al-Nabaa. As mortes ocorreram um dia após os assassinatos de 72 moradores de Bayda.

O governo de Bashar Assad afirmou que contra-atacou "grupos terroristas" e reestabeleceu a paz e a segurança na área.

Segundo os ativistas, a primeira das duas matanças havia ocorrido na vila sunita de Bayda na última quinta-feira. Entre as vítimas estavam mulheres e crianças. Eles listaram os nomes das 72 vítimas.

Nos dois casos imagens de vítimas foram publicadas na internet. Mas, como a imprensa internacional não tem autorização do governo sírio para trabalhar livremente no país, elas são difíceis de se verificar.

O correspondente da BBC no Líbano, Jim Muir, disse que as imagens mostram muitos corpos ensanguentados e emaranhados de mulheres e crianças. Parte deles traz sinais de mutilação e incineração.

Centenas de famílias estão fugindo da região de Baniyas em direção ao sul. O objetivo delas é chegar à cidade de Tartus, mas ativistas afirmaram que os deslocados internos estão sendo impedidos de se estabelecer e obter abrigo no local.

O bloqueio à chegada das famílias estaria sendo realizado pela Shabbiha, uma milícia favorável ao governo.

Segundo Muir, há uma forte dimensão sectária nessas ações. Ele afirmou ainda que opositores de Assad acusam o governo de lançar uma campanha de "limpeza sectária".

A operação também está sendo interpretada como um sinal de determinação de Assad para lutar pela posição de seu governo e consolidá-la.

O presidente sírio fez uma aparição pública neste sábado na Universidade de Damasco, segundo a mídia estatal. Cercado por seguranças em meio a uma multidão, ele inaugurou uma estátua dedicada aos "estudantes mártires".

Ataques aéreos

Enquanto isso, militares israelenses confirmaram que o país lançou um ataque aéreo em território sírio.

Sob anonimato, oficiais afirmaram que o alvo do foi um carregamento de armas supostamente destinado ao Hezbollah, no Líbano.

Os governos de Israel e da Síria não comentaram o ataque. Em janeiro, Israel havia realizado ação semelhante ao atacar um comboio que transportaria armas.

Armas químicas

Esforços itnernacionais para lidar com a violência na Síria recentemente se focaram no suposto uso de armas quiímicas pelo regime.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que se tais ações forem confirmadas, elas poderiam mudar a posição atual americana em relação ao conflito. Mas, na sexta-feira, Obama disse que ainda não encarava a possibilidade de enviar tropas à Síria.

Porém, os EUA voltaram a discutir a ideia de fornecer armas aos opositores de Assad – hipótese que Obama havia recusado no ano passado.

Analistas dizem que a Casa Branca e seus aliados estariam debatendo ainda a ideia de usar ataques aéreos para criar uma zona de exclusão aérea sobre o país. Porém, a Rússia se opôs a essa possibilidade.

Em comunicado, o governo americano afirmou que estava "chocado" com os últimos episódios relatados por ativistas na região costeira.

"Nós condenamos fortemente atrocidades contra a população civil e reforçamos nosa solidariedade com o povo sírio".

"Uma vez que a violência do regime de Assad contra civis inocentes aumenta, não vamos perder de vista os homens, mulheres e crianças cujas vidas estão sendo tão brutalmente reduzidas".

"Os responsáveis por sérias violações do direito humanitário internacional e da lei de direitos humanos devem ser responsabilizados".

Notícias relacionadas