Ataques de Israel a Síria elevam tensões regionais

Explosão em Damasco (Foto AP)
Image caption Vídeo da Ugarit News mostra fumaça no céu de Damasco

Os recentes ataques de Israel ao território sírio desataram uma escalada de tensões na região.

Segundo a TV estatal síria, foguetes disparados por Israel atingiram um complexo militar de pesquisas científicas em Damasco no último sábado.

Grandes explosões foram ouvidas na cidade e uma imagem divulgada pela Ugarit News mostra uma coluna de fumaça perto do local onde teria ocorrido o ataque, em Mount Qassioun - embora suas origens não tenham sido confirmadas.

"Foi como um terremoto e o céu ficou amarelo e vermelho", relatou Najwa, de 72 anos, à agência de notícias AFP.

Na sexta-feira, outro ataque teria sido feito por Israel contra um carregamento de mísseis sírios cujo destino seria o grupo libanês Hezbollah, na versão de autoridades israelenses.

Neste domingo, o Irã acusou os Estados Unidos de estarem por trás do ataque da véspera e ameaçou Israel.

"O ataque realizado pelo regime sionista vai encurtar a existência desse regime", disse o ministro da Defesa iraniano, general Ahmad Vahidi, segundo o site da Guarda Revolucionária do Irã.

"Ele foi realizado com a luz verde dos EUA e revela ligações entre terroristas mercenários e seus mestres do regime sionista."

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano, Ramin Mehmanparast, também condenou a ação israelense e conclamou os países da região a "resistirem sabiamente a tais agressões", segundo a agência de notícias Fars.

Mais cedo, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, havia exigido que as potências ocidentais deixassem de intervir no conflito sírio.

Reação síria

Após uma reunião de emergência neste domingo, o governo sírio emitiu um comunicado dizendo que a "agressão" israelense abre a porta para "todas as possibilidades". Segundo autoridades sírias, os ataques mostrariam a existência de uma "ligação" entre Israel e "grupos terroristas" (de oposição ao presidente da Síria, Bashar Al-Assad).

"A comunidade internacional deveria perceber que as implicações do que está acontecendo na região se tornaram mais perigosas com essa agressão", diz o comunicado.

"O governo (sírio) ressalta a necessidade de continuar a avançar em suas conquistas militares para proteger nosso país, estado e povo contra agressões internas e externas."

Segundo divulgou uma porta-voz do Exército israelense, um sistema de defesa antimísseis foi reforçado no norte do país para conter eventuais ataques.

Forças do governo sírio e grupos rebeldes estão disputando o controle de áreas dos arredores de Damasco. Segundo a ONU, mais de 70 mil pessoas já morreram no conflito desde seu início, em 2011.

Notícias relacionadas