Cruz Vermelha dá alerta sobre cidade sitiada na Síria

Região de Qusair bombardeada por forças sírias e do Hezbollah (foto: AP I Qusair Lens))
Image caption Cerco de forças do governo e do Hezbollah estaria causado falta de alimentos em Qusair

A Cruz Vermelha afirmou estar alarmada em relação à cidade sitiada de Qusair, na Síria. A instituição fez um apelo para ter acesso imediato ao local com o objetivo de levar ajuda às vítimas do conflito.

Milhares de civis estariam presos na cidade, que fica próxima à fronteira com o Líbano.

A batalha entre forças governistas e rebeldes praticamente acabou com as reservas de suprimentos médicos, comida e água na região, segundo a Cruz Vermelha.

A Rússia teria bloqueado uma "declaração de alarme" da ONU sobre Qusair.

O rascunho da declaração do Conselho de Segurança alertava sobre uma "grande preocupação sobre a situação de Qusair, especialmente em relação ao impacto sobre os civis durante o conflito".

Declarações do Conselho de Segurança como essa devem ser aprovadas por unanimidade por seus membros.

Uma fonte diplomática afirmou que a Rússia se opôs ao texto porque a ONU não teria afirmado quando a cidade foi capturada pelos rebeldes.

Civis cercados

Um ativista opositor ao regime de Bashar al-Assad afirmou à BBC na sexta-feira que os cerca de 30 mil moradores permaneciam na cidade. A ONU afirmou que 10 mil pessoas conseguiram sair da região.

Localidades controladas pelos rebeldes estariam efeivamente isoladas por forças do governo e combatentes do Hezbollah.

Uma declaração do CICV (Comitê Internacional da Cruz Vermelha) afirma que a entidade está “alarmada” por relatos de civis sitiados e pronta para entrar na cidade imediatamente para ajudar as vítimas.

"Civis e feridos correm o risco de pagar um preço pesado se a luta continuar", disse o responsável pelas operações do CICV na região, Robert Mardini.

O escritório do secretário geral da ONU fez um apelo para que as partes em conflito deixem os civis abandonarem o local.

O correspondente da BBC em Genebra, Imogen Foulkes, afirmou que o fato de tanto a ONU como o CICV terem voltado suas atenções para a questão é um indicativo de que a situação na cidade se torna desesperadora.

Os confrontos em Qusair se intensificaram no mês passado quando militantes do Hezbollah – o grupo libanês apoiado pelo Irã – se juntaram às forças de Bashar al-Assad.

Reforços do grupo rebelde Exército Livre da Síria teriam conseguido chegar à região pelo nordeste da cidade, para dar apoio a seus defensores.

Sunitas

Alguns sunitas do Líbano também cruzaram a fronteira para lutar ao lado dos rebeldes – cujas fileiras são compostas majoritariamente pela maioria sunita da Síria.

No sábado o influente clérico muçulmano Yusuf al-Qaradawi pediu aos sunitas do oriente médio que se juntem à batalha contra o presidente Assad.

Ele disse em um evento em Doha que o Irã e o Hezbollah, os principais aliados de Assad, querem exterminar os sunitas.

Ativistas do grupo Observatório Sírio de Direitos Humanos, contrários a Assad e baseados na Grã-Bretanha, afirmaram que os rebeldes se preparam para tentar repelir um novo ataque.

Ao menos 15 blindados do Exército sírio se reuniram no norte da cidade, segundo Rami Rahman, o diretor da organização.

"As forças do regime estão reforçando suas posições no norte da cidade, incluindo o aeroporto de Dabaa e Jawadiya", disse.

Qusair, que fica a dez quilômetros da fronteira libanesa, é considerada uma central logística e rota para o contrabando de armas para a Síria.

A cidade também está localizada perto da principal rodovia que conecta a cidade de Homs com a capital Damasco.

Notícias relacionadas