Representante de Rondônia na Série D sofre goleada dentro e fora de campo

Genus e Paragominas (Foto: Daniel Gallas/BBC Brasil)
Image caption Genus (de camisa grená) enfrentou falta de recursos, indefinições juríricas e improvisos

O Genus, representante de Rondônia na Série D, foi a campo no sábado em Paragominas, no interior do Pará, para sua primeira partida em um Campeonato Brasileiro. Saiu derrotado por 4 a 1.

A equipe rondoniense foi goleada não só dentro de campo pelo Paragominas Futebol Clube, mas também fora dele, pela difícil estrutura com a qual trabalham os clubes da série D, a quarta e última divisão do futebol brasileiro.

Em uma semana, o Genus enfrentou muitas das mazelas que atingem os clubes brasileiros que estão longe da elite da Série A: falta de recursos e estrutura, viagens longas feitas na véspera dos jogos, indefinições jurídicas e improvisos provocados pela ausência de planejamento do torneio.

A equipe – cujo plantel estava incompleto – passara a madrugada anterior viajando para chegar ao Pará. Uma semana antes, todos os jogadores tinham sido dispensados e estavam procurando empregos, quando receberam um telefonema de última hora com a convocação para o campeonato. Com seu estádio em Porto Velho interditado, o Genus está sem poder jogar em casa desde o ano passado.

Sem treinar há três semanas, os jogadores subiram a campo para tentar manter a honra do time, e alguns saíram até satisfeitos diante da goleada sofrida, julgando não ser um resultado tão ruim diante das dificuldades.

Vaga no colo

O Genus foi apenas terceiro colocado no campeonato estadual de Rondônia, que foi encerrado no dia 1º de junho – quando começou o campeonato brasileiro da Série D. Três dias após a final em Rondônia, o campeão e o vice – Vilhena e Pimentense – desistiram da vaga, por não terem condições financeiras para disputar o campeonato.

Até então, o Genus estava se programando para jogar apenas um torneio amador no segundo semestre do ano, mas já havia dispensado a maior parte de seus jogadores e funcionários até o fim do ano.

Na terça-feira à noite, os jogadores começaram a receber ligações para voltar ao clube e disputar a Série D. A partida de estreia seria dali a quatro dias, no sábado, em Paragominas.

"Eu estava fazendo planos particulares já. Cada um ia seguir seu caminho, viajar", diz o goleiro Jonathan. Seu plano era "enfiar a cara" em outros clubes: viajar para Goiás e Pará, batendo na porta de vários clubes pedindo uma chance.

Image caption Goleiro Jonathan tinha planos de tentar a sorte em outros clubes

"Eu estava em casa, quando meu colega ligou dizendo que a Série D tinha caído no nosso colo."

Dos 23 jogadores do clube, apenas 16 conseguiram viajar na sexta-feira. Os demais já haviam deixado Rondônia e voltado para seus Estados de origem, na busca por novas oportunidades.

Com apenas três dias para organizar tudo, o time sequer teve tempo de treinar. Eliminado nas semifinais do campeonato rondoniense, os atletas não jogavam ou treinavam juntos há três semanas.

E todos já estavam exaustos antes do começo da Série D. Durante o primeiro semestre precisaram viajar no mínimo seis horas em todas as rodadas, já que o estádio do clube em Porto Velho está interditado e o clube precisou mandar seus jogos no interior de Rondônia. A capital rondoniense está sem estádio de futebol.

Na sexta-feira, um dia antes da estreia na Série D, embarcaram em uma pesada viagem: 11 horas direto de Porto Velho a Paragominas. Saíram de Porto Velho na sexta às 18h, chegando a Belém tarde da noite. Passaram a madrugada no ônibus entre Belém e Paragominas, chegando ao destino final às 5h da manhã de sábado – a apenas 14 horas da partida de estreia.

Tomaram café da manhã no hotel, foram descansar, e às 17h partiram para o estádio Arena Verde, onde, exaustos, foram goleados por 4 a 1, em uma partida que quase foi cancelada por uma liminar na Justiça. À noite, jantaram no hotel, e na madrugada partiram de volta para Porto Velho.

"Não fizemos feio até", concluiu o goleiro Jonathan, que se emocionou com a reação dos torcedores rivais do Paragominas Futebol Clube. Nenhum torcedor do Genus viajou a Paragominas para ver o jogo.

Mas a torcida local elogiou o fato de o Genus ter resistido à tentação de vender sua vaga na Série D para clubes com mais recursos, e decidido encarar a competição mesmo diante de todas as dificuldades.

O clube de Rondônia saiu da Arena Verde aplaudido de pé pela torcida local, que cantou o nome do Genus ao final do jogo.

Notícias relacionadas