Lei britânica permite checar ficha policial de namorado

Clare Wood. Foto: PA
Image caption Clare Wood, que inspirou a nova lei, conheceu seu namorado pelo Facebook

Autoridades britânicas vão implementar uma lei que permite que as mulheres consultem a ficha policial de seus namorados.

A ideia tem funcionado desde 2012 como projeto piloto nas regiões de Manchester, Wiltshire, Nottinghamshire e Gwent, mas agora será estendida para toda a Inglaterra e País de Gales.

A iniciativa é conhecida como "Lei de Clare", em homenagem à Clare Wood, uma mulher que foi morta por seu ex-namorado em fevereiro de 2009, na cidade de Salford.

Ela não sabia que seu ex-namorado, George Appleton, tinha um histórico de violência contra mulheres. Desde então vários ativistas – inclusive a família de Clare Wood – passaram a fazer campanha por uma lei que dê às mulheres acesso aos dados policiais de seus namorados.

A lei deve entrar em vigor na Inglaterra e no País de Gales em março.

A ministra do Interior, Theresa May, fará um discurso nesta segunda-feira no Parlamento britânico, para detalhar a iniciativa.

Ela disse ao jornal The Sun que até agora há "muita confusão" jurídica sobre o tipo de informação que as mulheres têm direito de pedir à polícia sobre seus namorados.

"A lei de Clare dá às pessoas a informação que elas precisam para fugir de uma situação de abuso físico, antes que tudo termine em tragédia", disse a ministra.

"O esquema nacional permitirá que as pessoas possam tomar decisões bem-informadas sobre suas relações e sobre fugir, se necessário."

No ano passado, 88 mulheres foram mortas pelos seus próprios parceiros na Grã-Bretanha, segundo a ministra.

A lei de Clare é inspirada em outra iniciativa, batizada de "lei de Sarah", que envolve o acesso a dados sobre homens suspeitos de pedofilia.

Em um esquema piloto implementado este ano, a lei de Sarah recebeu 315 pedidos de informações sobre possíveis suspeitos de pedofilia. Em 21 dos pedidos, a polícia identificou que a pessoa consultada de fato apresentava algum tipo de risco a crianças.

Notícias relacionadas