Índia faz caçada a tigre que matou sete pessoas

Direito de imagem AFP
Image caption Acredita-se que o tigre fêmea ainda circule por uma área de cerca de 130 quilômetros

Funcionários do estado de Uttar Pradesh, no norte da Índia, estão à caça de um tigre fêmea que matou sete pessoas e forçou moradores a ficar dentro de casa.

A última vítima foi uma mulher, cujo corpo foi encontrado em uma floresta na terça-feira, segundo o representante do governo, Rupak De.

Segundo relatos, a primeira vítima do tigre foi um homem de 65 anos, no mês passado. O corpo foi encontrado no distrito de Sambhal.

Acredita-se que o tigre fêmea tenha vindo do Parque Nacional de Jim Corbett e que ainda esteja circulando por uma área de cerca de 130 quilômetros.

"Começou a caçada para matar a tigresa que se transformou em comedora de humanos", disse Rupak De à agência de notícias AFP.

"Ela ainda deve estar com fome, pois está correndo sem descanso e sem ter comido o suficiente."

Tensões

Salim Luqmaan, um funcionário do governo em Moradabad, onde a maioria das mortes ocorreram, disse que os moradores estão "apavorados".

"Eles foram alertados a não se aproximarem das áreas florestais desacompanhados. Três caçadores foram contratados para matar a tigresa", disse ele.

Em outro caso, ao sul do país, dezenas de escolas da cidade de colina Ooty, no estado de Tamil Nadu, foram fechadas após um tigre ter matado três pessoas na região, segundo a imprensa local.

Em dezembro, as autoridades florestais pegaram um tigre que teria matado três moradores no estado de Karnataka, também no sul do país.

As mortes criaram tensões e agricultores furiosos vandalizaram um escritório do departamento florestal, ateando fogo em dois jipes .

Há cerca de 1.700 tigres vivendo em estado selvagem na Índia.

Acredita-se que há cem anos haviam 100 mil tigres vivendo no país, mas o número está em declínio desde então. A caça furtiva e o encolhimento das áreas onde vivem esses animas explicam o processo de extinção.

Correspondentes dizem que os tigres muitas vezes competem com os moradores que vivem perto das reservas por recursos, o que pode resultar em um conflito direto.

Notícias relacionadas