Pais vegetarianos são processados após morte de bebê por raquitismo agudo

Tribunal de Londres (BBC)
Image caption Sentença para casal será proferida no dia 28 de fevereiro

Os pais vegetarianos de um bebê de cinco meses que morreu de raquitismo agudo estão respondendo à acusação de homicídio em um tribunal em Londres.

Nkosiyapha Kunene, de 36 anos, e Virginia Kunene, 32, nasceram no Zimbábue e moravam no sudeste de Londres. O filho deles, Ndingeko Kunene, morreu no dia 14 de junho de 2012.

Eles se declararam culpados da acusação de homicídio culposo - quando não há a intenção de matar.

Segundo o jornal britânico Daily Telegraph, acredita-se que o casal seguia uma dieta ovo-lacto-vegetariana. - que permite o consumo de leite e ovos, mas não de carnes.

"Devido à dieta (que Virginia Kunene) seguiu, a criança ficou doente", disse o promotor do caso, Richard Whittam, acrescentando que este foi um "caso trágico".

Não foram revelados detalhes sobre a alimentação dada ao bebê.

O juiz, Rabinder Singh, afirmou que está "analisando todas as opções" antes de proferir a sentença.

"A gravidade do crime pelo qual a vida de um bebê foi perdida é clara para todos", disse ele em uma audiência na segunda-feira.

Os dois estão respondendo ao julgamento sob liberdade condicional.

O raquitismo é uma doença que afeta o desenvolvimento dos ossos, deixando-os fracos, e é causada por uma deficiência de vitamina D e cálcio.

A causa da doença é uma dieta pobre em nutrientes ou alguma outra doença que afete como as vitaminas e minerais são absorvidos pelo corpo.

O raquitismo costumava ser comum no passado, mas a doença quase desapareceu nos países ocidentais devido à adição de vitamina D a alimentos como cereais e margarina.

Qualquer criança pode sofrer de raquitismo, mas crianças de pele escura (já que é necessária uma quantidade maior de luz solar para conseguir vitamina D) e crianças prematuras são mais suscetíveis à doença.

Notícias relacionadas