Proposta do Bom Senso terá divisão com 430 clubes e estaduais por só um mês

Direito de imagem AP
Image caption Movimento iniciado em setembro tem entre reivindicações um limite no número de jogos disputados por ano

Depois de alguns meses de discussões, o movimento Bom Senso FC concluiu a proposta do novo calendário para o futebol brasileiro que irá apresentar a público e à CBF (Confederação Brasileira de Futebol) na próxima semana. O movimento, que já conta com mais de mil jogadores de todas as divisões do futebol nacional, sugere a criação de uma Série E para o Campeonato Brasileiro e propõe mudanças também no formato dos campeonatos estaduais.

Segundo apurou a BBC Brasil, o calendário idealizado pelo Bom Senso tem o Campeonato Brasileiro começando em fevereiro, logo após uma pré-temporada de um mês, e se estendendo ao longo do ano todo, até o início de dezembro. A novidade, além das datas da competição - que atualmente é disputada de maio a dezembro - seria a quinta divisão, criada para alocar 430 clubes.

A proposta também inclui novidades para os campeonatos estaduais, que hoje começam em janeiro (o que inviabiliza a pré-temporada integral) e duram quatro meses em alguns Estados, como São Paulo e Rio de Janeiro. No novo calendário pensado pelo Bom Senso, as competições regionais teriam um formato de Copa do Mundo, com sete ou oito datas, e aconteceriam durante o mês de julho.

Desta forma, o movimento dos jogadores acredita que conseguirá solucionar o principal problema do calendário do futebol brasileiro: o excesso de jogos para as equipes grandes e a escassez deles para os clubes menores, sem tanta expressão nacional.

O Bom Senso chegou a falar sobre o calendário idealizado pelos jogadores na reunião que teve com o Ministro do Esporte, Aldo Rebelo, nesta segunda-feira, em São Paulo. O ministro recebeu bem a ideia, que agora será apresentada oficialmente na próxima segunda, em um seminário a ser realizado na sede da faculdade Uninove, na Barra Funda, também em São Paulo. O movimento convocou a CBF para o evento, mas não obteve confirmação de presença da entidade por enquanto.

Detalhes da proposta

Desde que surgiu, em setembro do ano passado, o Bom Senso começou a discutir possíveis soluções para reformular a temporada do futebol brasileiro, que respeitassem suas principais reivindicações: o período de férias e de pré-temporada (um mês para cada), o mínimo de 30 e o máximo de 70 jogos disputados por ano, a distribuição melhor do calendário ao longo do ano e pausas nas datas oficiais da Fifa para amistosos de seleção.

Com a criação da Série E, a quinta divisão do Campeonato Brasileiro, o movimento propõe “preencher” o calendário de mais 430 clubes que atualmente não têm compromissos ao longo do ano todo, quando os estaduais se encerram. Assim como as Séries A, B, C e D, a ideia é que a Série E comece a ser disputada em fevereiro e termine em dezembro.

Os detalhes da nova divisão proposta pelo movimento serão apresentados no seminário da próxima segunda-feira. Mas o Bom Senso garante ter encontrado um formato viável economicamente para sustentar a Série E e “empregar” os atletas dos 430 clubes que participarão dela o ano inteiro. As Séries C e D, que existem hoje com 20 e 40 clubes, respectivamente, são subsidiadas pela CBF.

Para manter os tradicionais estaduais no calendário, o Bom Senso sugerirá um formato de Copa para as competições em cada estado. Os times - incluindo os clubes grandes, que seriam mantidos na disputa - seriam divididos em grupos em uma primeira fase, os dois melhores de cada chave avançariam às oitavas e o mata-mata seguiria até a decisão. Sempre em jogos únicos.

Dessa forma, os estaduais teriam 7 ou 8 datas, dependendo de cada região, e ocorreriam somente no meio do ano, entre junho e julho, quando também ocorrem quase que anualmente as competições de seleções, que acabam desfalcando os clubes por um período - Copa América, Olimpíada, Copa das Confederações, etc.

Próximos passos

Com a proposta elaborada e documentada, o Bom Senso irá seguir tentando um diálogo com a CBF para conseguir implantar as mudanças pretendidas no calendário já na temporada de 2015.

O movimento chegou a ser recebido pela entidade máxima do futebol nacional no ano passado e conseguiu alguns avanços - como o aumento da pré-temporada para o ano que vem -, mas ainda não obteve mudanças mais efetivas nas principais reivindicações: o calendário e o fair-play financeiro.

A proposta do fair-play inclui a criação de um sistema de controle de finanças para impedir que os clubes gastem mais do que podem em salários e compras de jogadores, por exemplo. A ideia funciona parcialmente na Europa, onde foi implementada pela Uefa (Federação Europeia de Futebol).

O Bom Senso também sofreu um “desfalque” do ano passado para cá com a saída do seu antigo líder e porta-voz, o zagueiro Paulo André, que saiu do Corinthians recentemente para jogar no Shanghai Snhenhua, da China.

Ainda assim, o movimento tem se estruturado cada vez mais e agora busca o apoio da opinião pública para pressionar a CBF por mudanças. Por meio do site bomsensofc.org, os jogadores tentam reunir assinaturas em uma petição que pede à entidade que atenda às demandas do movimento. Até agora, o abaixo-assinado já tem mais de 46 mil nomes.

Notícias relacionadas