Time misto africano vence 'Copa do Mundo' do Vaticano

Foto: Erika Zidko Direito de imagem BBC World Service
Image caption Pontifício Colégio Urbano foi o campeão da Taça Clericus (foto: Erika Zidko)

Enquanto os preparativos para a Copa do Mundo aceleram no Brasil, no Vaticano, uma outra competição internacional de futebol já chegou ao fim.

O Pontifício Colégio Urbano, time misto com jogadores de vários países africanos, venceu neste sábado a Taça Clericus de futebol, ao bater na final o Redemptoris Mater por 1x0, numa partida disputada no Oratório São Pedro, a poucos passos do Vaticano.

O gol da vitória foi marcado pelo atacante Jean Marie Voundi, da República dos Camarões, camisa 10 do Pontifício Colégio Urbano, com uma cobrança de pênalti após a expulsão temporária do goleiro adversário por uma falta. A expulsão temporária de cinco minutos é uma das regras específicas do campeonato.

"Entramos em campo com espírito evangélico. Estamos felizes com o resultado, mas o futebol não é só vencer", disse o atacante à BBC Brasil.

A camiseta de todos os times trazia a frase "Meu capitão é o Papa Francisco".

"Dedico a nossa primeira vitória ao Papa Francisco, que é o exemplo de um grande líder", disse o jogador africano.

Embora tenha disputado o campeonato, o time dos brasileiros, do colégio Pio Brasileiros não chegou às quartas de final.

A competição terminou com 134 gols e 78 cartões (5 vermelhos, 71 amarelos e 2 azuis para a expulsão temporária).

Segundo o árbitro da última partida, Giuliano Salla, os jogadores padres não cometem menos faltas que os demais atletas.

"A diferença é a reação deles após cometer uma infração em campo, ou seja, é importante pedir desculpas. É uma regra fundamental: oferecer a outra face tanto quando se erra, quanto quando se é vítima de um erro", disse à BBC Brasil.

Só para padres e seminaristas

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Jogos foram disputados em áreas muito próximas do Vaticano (Foto: Erika Zidko)

O campeonato é realizado em dois grupos de oito times. A final é disputada pelo primeiro classificado de cada um deles.

Os jogos têm algumas regras particulares, como partidas de 60 minutos, com dois tempos de 30 minutos, e podem ser feitas cinco substituições. Além dos cartões amarelo e vermelho, os árbitros têm a disposição o cartão azul, para expulsão temporária de cinco minutos.

A oitava edição do torneio internacional de futebol do Vaticano, exclusivo para sacerdotes e seminaristas, contou com a participação de 351 jogadores, de 60 países.

As partidas acontecem sempre aos sábados (domingo é dia de missa) e, ao final dos jogos, os atletas rezam virados para a Basílica de São Pedro.

Este ano, os países mais representados foram a Itália (com 42 jogadores), o México (33) e o Brasil (22).

No dia 7 de junho os jogadores serão recebidos pelo Papa na Praça São Pedro, durante o encontro do pontífice com esportistas de toda a Itália.

Notícias relacionadas