Insetos, roubos e caixas eletrônicos preocupam visitantes britânicos na Copa

Glynn Davies (à esquerda, de Super-Homem) no Maracanã, no ano passado (Arquivo pessoal) Direito de imagem Arquivo pessoal
Image caption Glynn Davies (à esquerda, de Super-Homem) assistiu amistoso no Maracanã no ano passado

Insetos e roubos estão as preocupações dos milhares de turistas estrangeiros que estão chegando ao Brasil para acompanhar as emoções da Copa do Mundo.

Esse é o caso dos amigos do britânico Glynn Davies. Depois de vir ao Brasil pela primeira vez no ano passado para assistir a um amistoso entre Inglaterra e Brasil no Maracanã, em 2 de junho, Glynn, que virá para a Copa, está agora empolgado com a oportunidade de conhecer outras partes do país.

Frequentemente fantasiado de Super-Homem nos jogos que assiste, Glynn conta que logo fez amizade com brasileiros no jogo que viu no Rio de Janeiro no ano passado - teve gente que até pediu para tirar foto com ele.

Os jogos da Inglaterra o levarão, juntamente com um grupo de entre três e 15 amigos, pela primeira vez à Amazônia – onde a Inglaterra faz sua estréia no mundial, dia 14, contra a Itália – e, depois a São Paulo e a Belo Horizonte. Glynn deve voltar para Inglaterra no dia 25. Para onde seus colegas vão depois, vai depender do desempenho da seleção inglesa.

Neste depoimento à BBC Brasil, Glynn conta sua experiência na primeira visita ao Brasil e o que ele e seus amigos esperam desta Copa do Mundo.

Direito de imagem Arquivo pessoal
Image caption Davies diz que logo fez amizade com brasileiros

"Como torcedores ingleses, somos orgulhosos da nossa herança, viemos do berço do futebol, inventamos o jogo bem jogado. Nós também somos grandes viajantes e gostamos de percorrer o mundo para ver o nosso time competindo - mas nenhum outro lugar provavelmente tenha nos deixado mais emoção que viajar para um torneio da Copa do Mundo que o Brasil, país que abraçou e expandiu o esporte como nenhum outro.

Para muitos do nosso grupo esta não é a primeira visita ao país, nós tivemos a sorte de viajar no ano passado para o amistoso entre Brasil e Inglaterra, no Rio. Foi muito divertido dividir uma cerveja com os fãs brasileiros antes do jogo, na rua em frente ao estádio do Maracanã.

Como Wembley, o estádio nacional da Inglaterra, o Maracanã é um destino de peregrinação para os fãs de futebol e ter ido até lá e saído com um honroso empate é ainda melhor (na verdade, deveríamos ter ganhado).

Para nos divertir ainda mais nos jogos, eu (Superman) e meu amigo Howard (Fred Flintstone) muitas vezes usamos fantasias irreverentes - sempre cai bem com os fãs adversários e eu já perdi a conta do número de fotos que tirei no caminho para os jogos.

Mas a gente não vai apenas para os jogos, queremos conhecer mais dos países que visitamos. No ano passado, no Rio de Janeiro, nós ficamos um tempo nas praias de Ipanema e Copacabana, visitamos o Pão de Açúcar, a estátua do Cristo Redentor, fomos a uma corrida de cavalos e a uma favela (um dia depois de um turista ter sido baleado lá!). Também voamos para o Sul e visitamos as Cataratas do Iguaçu para ver sua beleza natural e fomos até as fronteiras com a Argentina e o Paraguai para ganhar mais alguns selos em nossos passaportes.

Viagem para a selva

Em 2014, temos um desafio diferente - uma viagem para Manaus para o jogo de abertura contra a Itália e depois um passeio pela Amazônia por alguns dias. Uma das pessoas do nosso grupo, Ricky, resume bem nossa expectativa: "A maioria dos fãs não nos dá esperança, mas acho que as outras equipes vão estar preocupadas com a Inglaterra, temos jogadores que podem colocar a bola no fundo da rede. Minha preocupação é com aqueles malditos insetos que picam, não os italianos!"

A viagem para a selva deve ser incrível – a gente já até pescou algumas piranhas. O que a gente espera é continuar pescando e comendo elas, e não que elas comam a gente!

A vida na cidade de São Paulo

Assim que deixarmos a Amazônia, seguimos para as luzes da cidade São Paulo – seremos um grupo de 15 pessoas por lá. A atmosfera do jogo vai ser interessante, pois é contra o Uruguai e eles estarão em maior número no estádio -, mas é bom quando isso acontece, porque vamos precisar expressar nosso amor pelo nosso time de forma ainda mais forte, especialmente durante o hino nacional.

Fomos advertidos de crimes em São Paulo, mas como H diz: "Nós não estamos realmente preocupados com nada, há crime em todas as cidades de todos os países do mundo, é uma questão de ser sensato." Espero que ele esteja certo.

Durante a estadia em São Paulo, iremos visitar o museu do futebol e estou interessado em ir ao Beco do Batman - e se for possível emendar uma ida para Santos, adoraríamos conhecer onde o Pelé jogou.

Belo Horizonte

O último jogo do nosso grupo é o mais tenso, uma vez que decide o nosso destino. A maioria não tem voo ou hotel reservado depois do jogo de 24 de junho (é a data do meu aniversário, então eu espero por uma vitória Inglaterra de presente). De lá, o avião segue para casa, Recife ou Rio - quem sabe.

Uma preocupação final, resumida por James está mais ligada ao fato de termos dinheiro suficiente para comprar cerveja e comida… "A minha maior preocupação é conseguir sacar dinheiro, os caixas eletrônicos foram um pesadelo última vez".

Em resumo, estamos aqui para o futebol, mas também procuramos nos divertir conhecendo pessoas e as cidades-sede, visitando os bares e o país (desde que a gente consiga tirar dinheiro, é claro)".