Países africanos definem plano para conter pior surto de ebola

Ebola (AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Surto começou na Guiné em fevereiro e já matou mais de 400 pessoas no oeste da África

Ministros da Saúde de 11 países do Oeste da África concordaram em adotar uma estratégia comum para conter o pior surto de ebola da história, que já matou 467 pessoas desde fevereiro.

Na reunião de emergência realizada em Acra, Gana, autoridades decidiram ampliar a supervisão de casos de ebola nas suas regiões fronteiriças e mobilizar líderes comunitários, religiosos e políticos para ampliar o conhecimento sobre a doença.

O vírus já infectou 759 pessoas na Libéria, Guiné e Serra Leoa.

Sob a nova estratégia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) abrirá um centro sub-regional de controle em Guiné para coordenar o apoio técnico.

Mais de 150 especialistas já foram enviados ao Oeste da África nos últimos meses para tentar conter o surto.

A OMS, órgão da ONU, disse que a epidemia de ebola não será controlada em breve.

"Acredito que vamos ter de continuar lidando com esse surto pelos próximos meses ou por ainda muitos meses", disse o Keiji Fukuda, diretor-geral assistente de segurança sanitária da agência, à agência AFP.

Questionado sobre como a epidemia poderia se espalhar, ele disse que "é impossível ter uma resposta clara".

Vírus mortal

Segundo o correspondente da BBC no Oeste da África, Thomas Fessy, educar as pessoas é visto como a melhor maneira de conter o surto, ao invés de fechar as fronteiras.

Práticas culturais e crenças tradicionais em algumas áreas têm dificultado medidas de saúde, contribuindo para o contágio da doença, disse ele.

Em alguns casos, grupos de pessoas atacaram funcionários de saúde, forçando o fechamento de centros de emergência.

Autoridades de saúde dizem que as fronteiras frágeis da região permitiram pessoas infectadas a levar a doença para outros países.

A maioria das mortes foi registrada na região de Guekedou, no sul da Guiné, onde o surto foi relatado pela primeira vez em fevereiro. A maioria das mortes ocorreu justamente na Guiné, mas há um número crescente de casos na Libéria e em Serra Leoa.

Direito de imagem AFP
Image caption Diretor da OMS diz ser impossível saber como vírus pode se espalhar

O ebola é um dos vírus mais mortais do planeta porque mata até 90% das pessoas infectadas.

Não há vacina ou cura. Ele se espalha pelo contato direto com fluidos corporais de uma pessoa infectada, tais como sangue e secreções.

Risco baixo no Brasil

O Ministério da Saúde brasileiro disse estar acompanhando os desdobramentos da epidemia e que segue a orientação atual da OMS de não adotar estratégias específicas em relação à doença.

"Segundo avaliação da OMS, o risco de disseminação da doença é considerado alto nos países fronteiriços, moderado no restante do continente africano e baixo no restante do mundo", diz a nota do ministério enviada à BBC Brasil.

"O ebola é transmitido pelo contato direto com sangue, secreções, órgãos e outros fluidos corporais de pessoas ou animais infectados, por isso, a transmissão para outros continentes não é provável e a OMS não recomenda quaisquer medidas que restrinjam o comércio ou o fluxo de pessoas com os países afetados."

O Ministério da Saúde informou ainda que, caso a OMS mude sua recomendação, já existe um plano de contingência que pode ser colocado em prática.

A OMS confirmou à BBC Brasil que, relativo à epidemia de ebola, não recomenda nenhuma restrição a viagens. Segundo o órgão, o risco para turistas visitando regiões infectadas é baixo.

"Há uma possibilidade de que uma pessoa com ebola embarque em um avião ou outro meio de transporte sem informar a companhia de sua situação. Apesar de o risco para os que viajam ao seu lado ser muito baixo, é recomendável que se faça a identificação e uma análise dessas pessoas".

Image caption O ebola é transmitido pelo contato direto com fluidos corporais da pessoa contaminada

Os sintomas iniciais incluem fraqueza, dor muscular, dor de cabeça e de garganta, vermelhidão nos olhos - e são seguidos por vômitos, diarreia, coceiras e, em alguns casos, sangramentos.

O período de incubação do vírus do ebola varia entre dois e 21 dias, segundo a OMS. No entanto, a organização esclarece que não há risco de transmissão durante a incubação e há apenas um risco baixo durante a fase inicial da doença.

"Durante o surto atual, viajantes infectados com ebola atravessaram as fronteiras com países vizinhos e há a possibilidade de que outros casos surjam nesses países vizinhos", afirma a agência de saúde da ONU.

Segundo a OMS, o número de casos do surto atual subiu de 635 em 23 de junho para 759, um aumento de 20%.

Notícias relacionadas