Fora das semis desde 1990, Argentina tenta retomar grandeza em Copas

Treino da seleção argentina em Brasília Direito de imagem Reuters
Image caption A seleção argentina chega a Brasília com a missão de recolocar o país entre os melhores do mundo

A Argentina enfrenta a Bélgica às 13h deste sábado, em Brasília, querendo colocar fim numa sequência de frustrações que vem desde os tempos de Maradona, em 1994.

Naquele Mundial, quando o camisa 10 acabou suspenso por doping, a seleção caiu nas oitavas de final. Depois, parou nas quartas em 1998, 2006 e 2010, e ficou na primeira fase na Copa de 2002. Agora, o próprio técnico Alejandro Sabella concorda que a equipe às vezes é tratada com mais destaque do que os resultados apontam.

"Sempre pensamos que somos mais do que somos. E isso tem sua parte boa e sua parte ruim. Quando eu era menino, escutava que éramos os melhores do mundo, e nunca tínhamos ganhado uma Copa", disse o treinador ao responder exatamente sobre esse longo período (desde 1990) sem chegar às semifinais.

O treinador admite que a seleção argentina ainda não chegou ao nível que ele gostaria. E espera um jogo bastante complicado contra a Bélgica, que também chega com quatro vitórias.

"É uma espécie de geração dourada. Em 1982, eles também tiveram uma geração dourada e venceram a Argentina no primeiro jogo. É uma equipe poderosa, temos de tomar cuidados", colocou Sabella.

Em campo, a Argentina não terá Marcos Rojo, suspenso, e Basanta deve atuar. No ataque, Aguero treinou sem mostrar limitações, e aumentam as possibilidades de ele ser utilizado - com lesão, ele foi substituído por Lavezzi no último jogo.

Pelo lado belga, obviamente o técnico Marc Wilmots foi perguntado sobre a atenção especial com o craque Lionel Messi.

"Não é só um jogador. Às vezes um jogador numa individualidade faz a diferença, mas não é um time de um só".

Holanda x Costa Rica

O adversário de argentinos ou belgas sai do jogo das 17h deste sábado, em Salvador, entre Holanda x Costa Rica.

O confronto é o menos esperado desta fase, já que poucos apostariam que a Costa Rica seria campeã de um grupo com três campeões mundiais (Uruguai, Inglaterra e Itália).

"Não existe isso de subestimar a Costa Rica. Eles têm um objetivo. Todos os jogadores são muito ambiciosos", disse o técnico holandês Louis Van Gaal, que não terá De Jong, machucado e fora da Copa.

Direito de imagem Reproducao
Image caption Seleção costarriquenha mostrou otimismo: flâmulas garantidas até o jogo final da Copa

A Costa Rica, que já faz a melhor campanha da história do país em Copas ao alcançar as quartas de final, mostrou otimismo. Na véspera, a federação local divulgou a imagem das flâmulas feitas para os próximos jogos.

"Seguimos pensando grande", escreveu o perfil da equipe no Twitter ao mostrar as bandeirinhas dos jogos das quartas, semi e final do Mundial.

Notícias relacionadas