HIV reaparece em menina 'curada' nos EUA

HIV virus (ThinkStock) Direito de imagem ThinkStock
Image caption O vírus da imunodeficiência adquirida (HIV, sigla em inglês), ataca o sistema imunológico

Um bebê que nasceu nos Estados Unidos com HIV e que se acreditava ter sido curado após tratamento voltou a apresentar sinais de que ainda abriga o vírus.

A criança de quatro anos, que é do Estado de Mississipi, passou por testes na semana passada que indicaram que o vírus ressurgiu, dizem médicos.

Em março ela parecia estar livre do vírus, depois de ficar quase dois anos sem receber tratamento.

A notícia reduz as esperanças de que o tratamento precoce possa reverter a infecção permanentemente.

Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, disse à mídia americana que os novos resultados foram "obviamente decepcionantes" e teria possíveis implicações em um iminente estudo nacional sobre o HIV.

"Nós vamos dar uma boa olhada no estudo e verificar se ele precisa de alguma mudança ", disse.

A criança, apelidada de "bebê Mississippi", não recebeu nenhum cuidado pré-natal anti-HIV antes do nascimento.

Ela passou a receber um intenso tratamento contra o vírus poucas horas após o parto.

O bebê continuou a receber o tratamento até os 18 meses de idade, mas este foi interrompido quando os médicos perderam contato com a família.

Quando retornou, 10 meses depois, nenhum sinal de infecção pelo HIV foi encontrado e sua mãe disse que não havia fornecido nenhuma medicação contra o vírus para a filha no período.

Repetidos testes não tinham detectado indícios do vírus HIV na menina até a semana passada. Os médicos ainda não sabem por que o vírus ressurgiu.

Outra criança

Uma segunda criança recebeu tratamento anti-HIV precoce, poucas horas após o nascimento, em Los Angeles, em abril de 2013.

Testes indicam que ela não possui sinais do vírus, mas seu tratamento não foi interrompido, como ocorreu com o "bebê Mississipi".

Atualmente, acredita-se que apenas um adulto tenha sido curado do HIV.

Em 2007, Timothy Ray Brown recebeu um transplante de medula óssea de um doador com uma mutação genética rara que é resistente ao vírus. Ele não tem mostrado sinais de infecção há mais de cinco anos.

Notícias relacionadas