Como opera o lobby dos fundos 'abutres' que ameaçam a Argentina

ATFA website (Divulgação) Direito de imagem BBC World Service

A American Task Force Argentina (ATFA) é uma das organizações americanas que tiveram um papel importante nos fatos desta quarta-feira que poderiam levar a Argentina ao calote.

A ATFA faz lobby pelos chamados "fundos abutres" - fundos especulativos que compraram títulos de credores que não aceitaram a reestruturação da dívida feita por Buenos Aires entre 2005 e 2010.

Em sua página na internet, a ATFA se descreve como uma "aliança de organizações unida para um acordo justo e equitativo para o default da dívida de 2001 e a posterior reestruturação da dívida do governo argentino".

A aliança conta com cerca de 30 membros, entre os quais estão associações americanas vinculadas ao comércio de carne e grupo agrícolas. Mas, sem dúvida, a estrela é o fundo de alto risco (também chamado de hedge fund) Elliott Associates, L.P., que é o principal litigante contra a Argentina.

Todos estes credores querem que o governo argentino pague a totalidade dos títulos da dívida que adquiriram, como declarava o acordo original: US$ 1,3 bilhão acrescidos dos juros.

De acordo com Sheila Krumholz, diretora-executiva da organização Center for Responsive Politics, que investiga a atividade das empresas de lobby na política americana, o hedge fund Elliott tem o respaldo financeiro necessário para levar adiante o lobby da ATFA.

"Diante dos fundos que gerencia e devido às suas conexões, o Elliott é o coração da ATFA. São também importantes, como aliadas táticas, organizações do setor agropecuário que competem diretamente com a Argentina e que servem para aumentar a pressão em todas as frentes", disse Sheila à BBC.

Como fazer lobby?

O dono do Elliott é o multimilionário Paul Singer, que financiou o Partido Republicano americanos e o ex-presidente George W. Bush desde as eleições de 2004.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Robert Raben já trabalhou na procuradoria geral do Departamento de Justiça durante o governo Clinton

Singer está entre as 400 pessoas mais ricas do mundo.

Mas a ATFA não coloca todas as fichas em apenas um aposta. Seus diretores são democratas com trajetórias de destaque durante a presidência de Bill Clinton.

Seu diretor, Robert Raben, é presidente da organização The Raben Group, uma consultoria que assessora governos e corporações e já trabalhou na procuradoria geral do Departamento de Justiça de Clinton.

Outro diretor da ATFA tem um perfil parecido: Robert J. Shapiro, diretor da consultoria e lobbista Sonecon LLC, subsecretário de comércio de Clinton, assessor econômico do ex-presidente durante a campanha de 1992 e dos candidatos democratas Al Gore e John Kerry.

A "troika" da ATFA fica completa com a ex-embaixadora dos Estados Unidos na ONU durante o governo Clinton, Nancy Soderberg, diretora-executiva da Soderberg Solutions.

"Contratar seus serviços não é barato. Estamos falando que pessoas do nível de embaixadores na ONU, que estavam ligadas ao governo há muito tempo e que sabem como funciona a máquina do poder nos Estados Unidos", disse Sheila Krumholz.

Contatos

Uma equipe como esta tem contatos no Congresso americano que recebem as mensagens como as da ATFA sobre a Argentina. Contatos que garantem que estas mensagens tenham uma boa recepção política.

O argumento da ATFA é que a atitude "teimosa" da Argentina impediu uma resolução da questão.

"É lamentavel, mas não surpreende que a Argentina não queira negociar uma solução. A promessa de acordo que faz não é séria. O governo deve agir com rapidez para evitar uma moratória que será devastadora e pela qual ele (o governo) será o único responsável", afirmou a organização em uma base de dados sobre a Argentina em sua página da web destinada a "desmentir os mitos argentinos sobre este caso".

De acordo com o jornalista argentino Carlos Burgueño, autor de um livro sobre o tema (Los Buitres, ou "Os Abutres" em tradução livre) a tática para levar este argumento adiante foi aplicada em várias frentes.

"A ATFA diferencia entre a nação argentina e este governo. A mensagem que tenta disseminar tanto no Congresso como nos meios (de comunicação) é que este governo gerencia muito mal a economia e tem interesses econômicos e diplomáticos opostos aos dos Estados Unidos", disse o jornalista à BBC.

Visita

O lobby não se limita apenas aos Estados Unidos.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Os que protestam contra os 'fundos abutre' também têm suas campanhas

Em julho os presidentes da ATFA, Nancy Soderberg e Robert Shapiro, chegaram à Argentina precedidos de notas publicadas nos quatro meios de comunicação opositores nas quais acusavam o governo de não querer negociar.

"A ATFA viu que a Argentina está se preparando para o default, e a mensagem que tentaram transmitir era que isto iria ser um desastre produzido pelo governo, (que é) totalmente responsável pela situação e pelos erros cometidos", disse Burgueño.

Na visita de 24 horas que fizeram a Buenos Aires, eles deram uma entrevista coletiva no hotel em que estavam, enquanto que, do lado de fora, havia manifestações com cartazes onde se lia "Pátria ou Abutres" e "Abutres Fora da Argentina".

A ATFA não fez nenhuma reunião com figuras políticas argentinas, mas, pouco depois da visita, publicou em sua página na internet uma nota na qual elogiava os políticos "negociadores": o chefe do governo da cidade de Buenos Aires, Mauricio Macri, opositor do governo, o também opositor Sergio Massa e o governador da província de Buenos Aires, Daniel Scioli, representante da direita do kirchnerismo.

Scioli busca o apoio de todos os kirchneristas visando as eleições presidenciais do próximo ano.

"Desde um primeiro momento minha posição tem sido muito clara em relação a estes capitais especulativos. Acredito que o debate promovido pela presidente será um ponto de inflexão internacional sobre estes métodos dos fundos abutre", disse.

Segundo Burgueño, a estratégia teve resultados diferentes na Argentina e Estados Unidos.

"Na Argentina, a jogada não deu certo, mas, nos Estados Unidos, sim. Conseguiram fazer a Argentina parecer culpada e os fundos abutre, vítimas", disse.

Ainda não se sabe como será o reflexo disto na resolução final do conflito, e os analistas não se atrevem a fazer previsões.

Notícias relacionadas