Saiba como funciona o escudo antimísseis de Israel

Iron Dome (AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Cada bateria dos antimisséis podem ser utilizadas de acordo com a necessidade estratégica

Desde que Israel lançou sua operação militar contra militantes palestinos na Faixa de Gaza no dia 8 de julho, a Força de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) contabilizou mais de 2 mil foguetes disparados da região contra Israel.

Essa chuva de foguetes, lançados pelo Hamas e por outros grupos islâmicos, deixou, até agora, três civis mortos (dois israelenses e um trabalhador imigrante tailandês).

O contraste entre o alto número de foguetes lançados e o baixo número de vítimas tem três explicações: a preparação da população em Israel, treinada a lidar com uma rede de abrigos, alarmes e exercícios de simulação; a ineficácia das armas do Hamas e da Jihad Islâmica; e a eficiência do escudo antimísseis israelense, conhecido como Iron Dome (Cúpula de Ferro, em tradução livre).

Complexo, o sistema do Cúpula de Ferro não é 100% eficaz e não consegue interceptar todo foguete disparado por militantes palestinos. Mas as evidências sugerem que ele tem ajudado consideravelmente a evitar vítimas israelenses.

Como ele funciona?

O Cúpula de Ferro faz parte de um amplo sistema de defesa aérea operado por Israel e projetado para proteger o país de mísseis balísticos, mísseis de cruzeiro, foguetes e outras ameaças aéreas (a força aérea dos vizinhos rivais a Israel é, em geral, obsoleta e não há competição local com o poderio aéreo israelense).

Esse sistema é tanto defensivo (como no caso do escudo) quanto ofensivo. Israel faz uso dele para destruir instalações de lançamento em território inimigo e interceptar navios com armamentos vindos do Irã e da Síria destinados para militantes do Hezbollah e do Hamas.

O Cúpula de Ferro contou com o financiamento de mais de US$ 200 milhões dos Estados Unidos e é orientado para interceptar mísseis relativamente pouco sofisticados.

Ele foi projetado pela empresa Rafael Advanced Defense System LTD, uma companhia privada próxima às Forças Armadas israelenses e que constrói sistemas de defesa aéreos, marítimos e terrestres.

As baterias são compostas de mísseis interceptores, radares e sistemas de comando que analisam onde os foguetes enviados por inimigos podem cair.

Cada bateria tem um custo de instalação de US$ 50 milhões e cada míssil interceptor Tamir custa cerca de US$ 60 mil.

Os fabricantes dizem que a tecnologia permite identificar quais foguetes inimigos podem atingir áreas urbanas e quais perdem a mira.

O sistema decide, portanto, quais devem ser interceptados.

História de uma obsessão

O escudo antimísseis teria suas raízes no conflito entre Israel e o grupo militante libanês Hezbollah, em 2006.

O Hezbollah lançou milhares de foguetes que mataram dezenas de israelenses e causaram grandes danos.

Mas, segundo a revista americana National Interest, os esforços de Israel para desenvolver um escudo antimísseis começaram há três décadas e são parte da cooperação militar entre Israel e os Estados Unidos.

"Os dois países assinaram um acordo em 1986 para desenvolver um sistema de defesa antimísseis e para facilitar a participação israelense na Iniciativa de Defesa Estratégica (SDI, na sigla em Inglês) de (Ronald) Reagan", indicam os jornalistas da publicação no artigo "Desmistificando o Cúpula de Ferro".

Direito de imagem AFP
Image caption Sistema pode interceptar foguetes a uma distância de 4 a 70 quilômetros

Mas logo cinco anos depois do entendimento, durante a primeira Guerra do Golfo, quando o então presidente do Iraque, Saddam Hussein, lançou mísseis Scud sobre Israel, os líderes israelenses resolveram acelerar o desenvolvimento de tal sistema.

No início de 2010, o Cúpula de Ferro tinha passado com sucesso em testes realizados pelo Exército israelense, em que foram usados foguetes Qassam e Grad e morteiros.

Em abril de 2011, o sistema foi usado em combate pela primeira vez, quando derrubou um míssil lançado contra a cidade de Beersheba, no sul do país.

O sistema pode interceptar foguetes de distâncias de 4 a 70 quilômetros.

O arsenal palestino

O Hamas e os demais grupos palestinos radicais que atuam na Faixa de Gaza acumularam um arsenal de foguetes básico que, com o passar do tempo, têm aumentado o seu raio de ação.

Nenhum deles é particularmente sofisticado e a maioria foi projetada com tecnologia da época soviética.

Alguns foguetes foram contrabandeados por túneis na península do Sinai e outros foram feitos em oficinas na Faixa de Gaza, embora muitos ainda possuam peças -chave que dependem de componentes do Irã ou da Síria, importados clandestinamente.

Direito de imagem AFP
Image caption Não existe informação oficial sobre a porcentagem de eficácia do escudo

Os sistemas de menor alcance incluem morteiros pesados e foguetes Qassam e Grad, que atingem até 48 km e 17 km, respectivamente.

Estes foguetes ameaçam vilas e cidades no sul de Israel, como Sderot, Ashkelon, Beersheba e o porto de Ashdod.

Os palestinos também possuem foguetes de grande alcance, como Fajr-5, também conhecido como M75.

Ele pode voar a até 75 quilômetros, ameaçando centros populosos, como Tel Aviv e Jerusalém.

Mas o uso do Fajr-5 implica em sérios problemas práticos. Ele é pesado e grande – podendo chegar a seis metros de altura -, requer manutenção mecânica e precisa ser pré-posicionado para lançamento em lugares escondidos e camuflados, para evitar que seja detectado por drones israelenses.